Os spin doctors e as fontes das notícias

Francisco José Karam, Aldo Antonio Schmitz

Resumo


O artigo examina, a partir de uma contextualização histórica e alguns casos, o crescente fenômeno do spin doctor. O que é? Como age? Qual o seu propósito? Onde atua? E quais as consequências? Apresenta essas questões para identificar as suas ações e estratégias a serviço das fontes de notícias e seus impactos no jornalismo: o comodismo dos jornalistas, a redução ou neutralização do jornalismo investigativo, o deslocamento das notícias para as redes sociais digitais, a expansão das mídias das fontes. Fundamenta-se em uma pesquisa de campo com 440 fontes de notícias e jornalistas. Parte-se do pressuposto que os spin doctors são profissionais de comunicação, capazes de forjar a opinião pública utilizando-se dos processos, procedimentos, da cooptação de jornalistas e do saber do jornalismo e das relações públicas, para ter sucesso na mídia ou diretamente com seu público-alvo.


Palavras-chave


Jornalismo; fontes de notícias; relacionamento entre fontes e jornalistas; spin doctor.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNAYS, Edward. Propaganda. New York: Ig, 2004.

BOORSTIN, Daniel. The image: a guide to pseudo-events in America. New York: Vintage, 1992.

BRASIL. Lei n. 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2013.

BUENO, Wilson da Costa. Comunicação empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, 2009.

________. Comunicação empresarial no Brasil: uma leitura crítica. São Paulo: All Print, 2005.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Iniciação a uma teoria das fontes: tipificação das fontes. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2009.

________. Linguagem dos conflitos: buscas práticas para uma teoria da ação jornalística. 3. ed. São Paulo: Summus, 2007.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2009.

CHOMSKY, Noam. Controle da mídia: os espetaculares feitos da propaganda. Rio de Janeiro: Graphia, 2002.

DUARTE, Jorge. Release: história, técnica, usos e abusos. In: _______ (Org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010, p. 51-75.

GILLMOR, Dan. Nós, os media. Lisboa: Presença, 2005

HABERMAS, Jürgen. História y crítica de la opinión pública: la transformacion estructural de la vida pública. Barcelona: Gustavo Gili, 2003.

HIEBERT, Ray Eldon. Courtier to the crowd: the life story of Ivy Lee, distinguished founder modern public relations. Ames: Iowa State University Press, 1966.

JONES, Nicolas. Soundbites and spin doctors: how politicians manipulate the media and vice versa. London: Cassel, 1996.

KUCINSKI, Bernardo. A pauta econômica e a agenda das assessorias de imprensa. In: DINES, Alberto (Org.). A mídia e os dilemas da transparência. Brasília: Banco do Brasil, 2002. p. 55-59.

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: Record, 2001.

LIMA, Gerson Moreira. Releasemania: uma contribuição para o estudo do press-release no Brasil. 2. ed. São Paulo: Summus, 1985.

LIMA, Samuel. O Facebook e a espetacular construção unilateral da “verdade”. ObjEthos, 24 out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2012.

LIPPMANN, Walter. Opinião pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

LUHMANN, Niklas. A realidade dos meios de comunicação. São Paulo: Paulus, 2005.

MALTESE, John Antohony. Spin control: the White House office of communications and the management of presidential news. 2. ed. Chapel Hill, NC: The University of North Carolina Press, 1994.

PILGER, John. The new propaganda is liberal: the new slavery is digital. New Statesman, London, 14 mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2013.

PRICE, Lance. Spin doctor's diary. London: Hodder & Stoughton, 2005.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. Porto Alegre: L&PM, 2012.

SANT'ANNA, Francisco. Mídia das fontes: um novo ator no cenário jornalístico brasileiro. Brasília: Senado Federal, 2009.

SCHMITZ, Aldo Antonio. Fontes de notícias: ações e estratégias das fontes no jornalismo. Florianópolis: Combook, 2011.

SINGER, André et all. (Org.). No Planalto com a imprensa: entrevistas de secretários de imprensa e porta-vozes, de JK a Lula. v. 2. Brasília: Massangana, 2010.

SOUSA, Jorge Pedro. Planificando a comunicação em relações públicas. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2004.

STAROBIN, Paul. Os homens do presidente. Revista Jornalismo ESPM, São Paulo, n. 4, ano 2, p. 62-67, jan./fev./mar. 2013.

SUMPTER, Randy; TANKARD JR, James W. The Spin doctor: an alternative model of public relations. Public Relations Review, v. 20, n.1, p. 19-27, set. 1994.

THE NEW YORK TIMES. The debate and spin doctors. 21 out. 1984. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2013.

TYE, Larry. The father of spin: Edward L. Bernays and the birth of public relations. New York: Crown, 1998.

VANDEHEI, Jim; ALLEN, Mike. Obama, the puppet master. Politico: Behind the curtain. 18 fev. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2013.

WEY, Hebe. O processo de relações públicas. 4. ed. São Paulo: Summus, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.