Código de Conduta e de Boas Práticas de Pesquisa

A BJR adota uma política de promoção da integridade na pesquisa. Por isso, apresentamos as principais diretrizes que orientam as boas práticas dos autores, pareceristas e editores da revista

 

Autores

 

Originalidade

Os autores se comprometem a oferecer um trabalho original. Qualquer citação deve ter a referência conforme as Diretrizes para os autores. O plágio ou autoplágio configura crime (Lei 9.610/98).

A BJR adotará uma política de detecção de plágio. Em casos em que um plágio é detectado, a revista se reserva ao direito de: publicar uma errata e/ou remover o artigo do jornal e/ou banir o autor da publicação.

 

Publicação múltipla

O autor não deve enviar o mesmo texto para mais de uma revista ao mesmo tempo.

 

Autoria e colaboração

A autoria do trabalho se restringe àqueles que deram uma contribuição significativa para a concepção, projeto, execução ou interpretação do estudo. Pessoas que participaram em certos aspectos do projeto de pesquisa e/ou do artigo submetido devem ser listadas como colaboradores, em nota de rodapé.

A definição do primeiro autor, dos demais autores do texto e os demais créditos concedidos deve estar baseadas no mérito científico e na contribuição dada ao artigo, independente do status ou titulação dos/as autores – incluindo casos de trabalhos coassinados com  orientadores de teses ou dissertações. 

Todos os autores e coautores devem estar cientes e em concordância com a submissão do trabalho.

 

Financiamento

Se houve financiamento, todas as fontes devem ser devidamente citadas na submissão.

 

Pedidos de revisão

O autor tem direito de pedir revisão caso considere o parecer inadequado. Os pedidos de revisão devem ser encaminhados ao editor, por meio de uma carta em que sejam elencadas as razões para a revisão no parecer. Pedidos de revisão serão avaliados pelo direção da revista após consulta pelo editor encarregado pela submissão.

 

Pareceristas

 

Função

O parecerista é responsável por avaliar se o artigo deve ser aceito ou não para publicação na revista. O parecerista deve analisar: originalidade, adequação ao escopo da revista e/ou ao dossiê temático, metodologia, rigor científico, atualidade e pertinência do referencial teórico adotado.

 

Confidencialidade

A avaliação deve ser cega. O parecerista deve tratar os documentos como confidenciais. O parecerista não deve mostrar ou discutir com outros, nem divulgar nada antes da publicação do artigo.

 

Qualificação

O parecerista que não se sentir qualificado para analisar o artigo deve responder ao editor assim que tiver acesso ao email de solicitação.

 

Pontualidade

O parecerista deve cumprir o prazo indicado quando aceita a avaliação ao informar disponibilidade pelo sistema da revista. Se o parecerista não puder cumprir o prazo por algum imprevisto, deve informar tão logo ao editor para que seja designado outro parecerista.

 

Retorno ao autor

O parecerista não envia retorno direto ao autor. Quem o faz é o editor encarregado pela submissão com base nos pareceres emitidos.

 

Plágio

O parecerista deve colaborar na identificação de autoplágio e plágio.

 

Submissão de artigo

O parecerista pode submeter artigo à revista como qualquer outro autor, seguindo as mesmas regras e normas.

Os editores, contudo, devem evitar solicitar pareceres a pesquisadores com submissões em processo de avaliação pela BJR.

 

Editores

 

Publicação

A equipe de editores é responsável por assegurar a integridade do processo de avaliação.

A equipe de editores deve obedecer às exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio.

 

Confidencialidade

Os editores e demais membros da equipe editorial não devem divulgar qualquer informação sobre um manuscrito submetido, a não ser aos pareceristas.

 

Publicação

O editor deve informar ao autor a edição em que o artigo deve ser publicado.

 

Conflitos de interesse

O editor deve recusar assumir  responsabilidade por os manuscritos com os quais tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer um dos autores, empresas ou (possivelmente) instituições ligadas aos manuscritos.

 

Envolvimento e cooperação em investigações

O editor deve tomar medidas necessárias cabíveis quando foram apresentadas reclamações éticas a respeito de um manuscrito submetido ou artigo publicado.