The World of Work if Female Journalists: Feminism and Professional Discrimination

Roseli Figaro

Resumo


This article discuss the gender question from the feminist perspective as part of the general struggle for female emancipation in the class struggle. It addresses this perspective creating a link between the main struggles of the journalist women for a respectful place of work and labour rights and the general feminist struggle along history. The argumentative line is based on bibliographic theoretic research, investigation on women conditions and profile data, as well as on research about the work of journalists with special attention to the work of female workers in new independent labour arrangements of media conglomerates. In conclusion, this article highlights the feminist protagonism and the necessity of professional engagement in defence of quality journalism as expression and place of speech for human rights and for its emancipation.

O artigo trata da discussão sobre gênero a partir do feminismo como aspecto da luta geral pela emancipação das mulheres nos embates das classes sociais. Aborda essa perspectiva traçando um elo de continuidade entre as lutas mais específicas das mulheres jornalistas por seus direitos no mundo do trabalho e a luta mais geral das mulheres trabalhadoras ao longo da história. A linha argumentativa baseia-se em pesquisa teórica bibliográfica, em pesquisa de dados sobre perfil e condições das mulheres, e em pesquisa específica sobre o perfil dos jornalistas e de seu trabalho em novos arranjos independentes dos conglomerados de meios, dando destaque à situação de trabalho das mulheres jornalistas. À guisa de conclusão, o artigo destaca a luta feminista e sua importância para a coletividade, o engajamento das profissionais em defesa do jornalismo de qualidade e como expressão e lugar de fala dos direitos humanos, pela emancipação.

El articulo discute la cuestión de género tiendo el feminismo como aspecto general por la emancipación en las luchas de las clases sociales. Esta perspectiva constituye uno eje de continuidad entre las luchas más específicas de las mujeres periodistas por sus derechos en el mundo del trabajo y las luchas de las mujeres trabajadoras al largo de la historia. La argumentación esta basada en investigaciones bibliográficas, en dados sobre perfil y condiciones de las mujeres, y en investigación específica sobre el perfil de los periodistas y del trabajo del periodista en nuevos arreglos periodísticos independientes de los conglomerados de medios, con destaque para la situación del trabajo de las mujeres periodistas. En conclusión, el artículo destaca la lucha feminista y su importancia para la colectividad y también como las periodistas luchan por un periodismo de cualidad y por expresión de las voces ciudadanas por los derechos humanos y de la emancipación ciudadana.


Palavras-chave


Communication; Journalist; Feminism; World of the work; Journalist women

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Araújo, C. (2000). Marxismo, feminismo e o enfoque de gênero. Crítica Marxista, Campinas, n. 11, pp. 65-70. Retrieved from www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/03clara.pdf

Balieiro, F. F. [s.d.]. O queer e o conceito de gênero. Núcleo de Pesquisa em Diferenças, Gêneros e Sexualidades. UFSCAR, p. 4. Retrieved from www.ufscar.br/cis/2011/10/o-queer-e-o-conceito-de-genero/.

Barton, A.; Storm, H. (2014). Violence and harassment against women in the news media: a global picture. Washington, D.C., London: International Womens Media Foundation, International News Safady.

Benoit, L. O. (2000). Feminismo, gênero e revolução. Crítica Marxista, n. 11, pp. 76-88.

Bonelli, M. G. (2002). Profissionalismo e política no mundo do direito. São Carlos: Edufscar.

Bonelli, M. G. (1993). As ciências sociais no sistema profissional brasileiro. ANPOCS BIB, n. 36, pp. 31-61, 2º sem.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica (2nd ed). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Castro, M. G. (2000). Marxismo, feminismos e feminismo marxista – mais que um gênero em tempos neoliberais. Crítica Marxista, n. 11, pp. 98-108. Retrieved from www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/dossie59Dossie%205.pdf

Cisne, M. (2005). Marxismo: uma teoria indispensável à luta feminista. Anais do 4º Colóquio Marx Engels. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Retrieved from www.unicamp.br/cemarx/ANAIS%20IV%20COLOQUIO/comunica%E7%F5es/GT4/gt4m3c6.PDF

Costa, M. E. (2008). Mulheres jornalistas venceram e dominam a arte de informar. Unidade, São Paulo, n. 305, pp. 3-6, mar. Retrieved from docplayer.com.br/56779650-Mulheres-jornalistas-consolidam-maioria-na-categoria-paginas-3-a-6-a-tv-digital-no-foco-dos-reporteres-cinematogra-cos.html

CPDOC-FGV. [s.d.] Movimento feminista (verbete). Retrieved from www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/movimento-feminista

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da Discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, 10 (1), pp. 171-188.

Damian-Gaillard, B.; Frisque, C.; Saïtta, E. (2010). Le journalisme au féminin: assignations, inspirations, strategies. Rennes: PUR.

D’Atri, A. (2011). A participação das mulheres na comuna de Paris. Conferência 140 anos da Comuna de Paris. Universidade Federal da Fronteira Sul – Campus Chapecó (Santa Catarina, Brasil). Retrieved from nucleopaoerosas.blogspot.com.br/2011/05/participacao-das-mulheres-na-comuna-de.html

Figaro, R. (2013). Perfis e discursos de jornalistas no mundo do trabalho. In R. Figaro, C. Nonato & R. Grohmann (Eds.), As mudanças no mundo do trabalho do jornalista (pp. 7-143). São Paulo: Atlas.

Figaro, R., Nonato, C. Kinoshita, J. (2017). Jornalistas em arranjos econômicos independentes de corporações de mídia: métodos e análises iniciais. Anais do 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Curitiba, PR. Retrieved from portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0420-1.pdf

Freidson, E. (1998). Renascimento do profissionalismo: teoria, profecia e política. São Paulo: Edusp.

Freidson, E. (1996). Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, n. 31, pp. 141-145.

Giffin, K. (1999). Poder e prazer: considerações sobre o gênero e a sexualidade feminina. In: M. Ribeiro (Ed.), O pensar e o prazer (pp. 176-183). São Paulo: Gente/Cores.

Giffin, K. (1991). Nosso corpo nos pertence: a dialética do biológico e do social. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, pp. 190-200, abr./jun.

Heloani, R. (2012). O Trabalho do Jornalista: Estresse e Qualidade de Vida. São Paulo, Unicamp.

Koshiyama, A. M. (2001). Mulheres jornalistas na imprensa brasileira. Anais do 24º Congresso Brasileiro De Ciências Da Comunicação, 24, Campo Grande. São Paulo: Intercom. Retrieved from www.portcom.intercom.org.br/pdfs/151284998075557168343153827227545496185.pdf

Lucio, C. G. (2017). Mulher, mercado de trabalho e desigualdade. Brasil Debate. Retrieved from brasildebate.com.br/mulher-mercado-de-trabalho-e-desigualdade/

Matos, M. (2010). Movimento e Teoria Feminista: É possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul Global? Revista de Sociologia e Política, v. 18, n. 36, pp. 67-92. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000200006

Mick, J., Lima, S. (2013). Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis, Insular.

Quartim de Moraes, M. L. (2000). Marxismo e feminismo: afinidades e diferenças. Crítica Marxista, Campinas, n. 11, pp. 89-97.

Rocha, P. M. (2004). As mulheres jornalistas no Estado de São Paulo: o processo de profissionalização e feminização da carreira (PhD Dissertation in Social Sciences). Retrieved from repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/1412

Saffioti, H. (1986). Feminismos e seus frutos no Brasil. In: E. Sader (Ed.). Movimentos sociais na transição democrática (pp. 105-158). São Paulo: Cortez.

Saffioti, H. (2000). Quem tem medo dos esquemas patriarcais de pensamento? Crítica Marxista, Campinas, n. 11, pp. 71-75.

Saffioti, H. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Sant’annA, Francisco. (2002). Mulheres procuram dignidade nos dois lados da mídia. In: E. Nardelli, F. Sant’anna (Eds.), Mulher e imprensa na América Latina (pp. 11-16). Brasília: Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal, Unesco.

Sayão, D. T. (2003). Corpo, poder e dominação: um diálogo com Michelle Perrot e Pierre Bourdieu. Perspectiva, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 121-149, jan./jun.

Silveirinha, M. J. (Coord.). (2004). As mulheres e os media. Lisboa: Livros Horizonte.

Sindicato Dos Jornalistas Profissionais Do Distrito Federal. (2016). Pesquisa Desigualdade de Gênero no Jornalismo. Brasília, 8 pp. Retrieved from

www.sjpdf.org.br/images/Pesquisa_Desigualdade_de_G%C3%AAnero_no_Jornalismo_-_Resultados.pdf

Souza, A. F. C. (2009). Mulheres jornalistas – percursos e percalços. Anais do V Enecult. Retrieved from www.cult.ufba.br/enecult2009/19152.pdf

Temer, A. C. R. P., Assis, F, Santos, M. (2014). Mulheres jornalistas e a prática do jornalismo de imersão: por um olhar sem preconceito. Media & Jornalismo, Lisboa, n. 25, pp. 75-90.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v14n2.2018.1052

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.