The Media Coverage of the #Firstharassment Campaign and Its Perception by Facebook Female Users

Cristiane Guilherme Bonfim, Márcia Vidal Nunes

Resumo


This article aims to reflect on the impact that the campaign #PrimeiroAssédio [first harassment], created by the NGO Think Olga, in 2015, had on the perception of Facebook female users on the subject of harassment, drawing from the perspective of Cultural Studies. This hashtag encouraged the sharing of content and placed the feminist issue of combating sexual harassment on the agenda. We have used Martín-Barbero’s (1997) concept of mediation to investigate the context in which users published posts on Facebook and have conducted interviews with women who have published comments in the campaign’s posts. In a context of prolific content generation and intense participation, with many people speaking to many people, many authors see the emergence of politically driven action on social media, the so-called “digital activism”, as being relative, holding little expectations of radical social change. Our interviewees’ answers indicate that, in terms of tangible changes, they found that they were able to engage in dialogue about the topic with the people who were closest to them.         

Este artigo tem como objetivo refletir sobre o impacto da campanha #PrimeiroAssédio, criada pela ONG Think Olga, em 2015, na percepção de leitoras no Facebook sobre o tema assédio, sob a perspectiva dos Estudos Culturais. A hashtag incentivou compartilhamento de conteúdo e agendou veículos de mídia sobre assédio, uma pauta que é bandeira de movimentos feministas. O conceito de mediações de Martín-Barbero (1997) é usado para investigar o contexto de postagens no Facebook e entrevistas com mulheres que comentaram em posts da campanha. No cenário de geração de conteúdo em profusão e da participação de muitos falando para muitos, a atuação política nas redes sociais, o chamado ativismo digital, é perpassada com alguma relativização, sem expectativa de mudança radical. As respostas das entrevistadas sinalizam que campanhas como essa podem  alcançar repercussão fora das redes, mas indicam que a mudança gerada foi o diálogo mais frequente sobre o tema com o círculo de pessoas mais próximo.

Este artículo objetiva hacer una reflexión sobre el impacto de la campaña #PrimeiroAssédio (#Primeracoso), creada por la Organización no Gubernamental Think Olga el 2015, en la percepción de lectoras en Facebook sobre el tema acoso, bajo la perspectiva de los Estudios Culturales. La etiqueta incentivó que el contenido fuera compartido y generó agenda setting de medios de comunicación sobre acoso, una pauta que es bandera de los movimientos feministas. El concepto de mediaciones de Martín-Barbero (1997) es usado para investigar el contexto de publicaciones en Facebook y entrevistas con mujeres que comentaron en posts de la campaña. En el escenario de geración de contenido en profusión y de participación de muchos comunicando para muchos, la actuación política en las redes sociales, el llamado activismo digital, se puede identificar alguna relativización, sin expectativa de cambio radical. Las respuestas de las entrevistadas señalan que campañas como esa pueden alcanzar repercusión más allá de las redes, pero apuntan que el cambio generado ha sido el diálogo más a menudo sobre el tema con el círculo de personas más cercanas.

Palavras-chave


Harassment; Feminism; Cyber-activism; Journalism; Social media

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Babo, I. (2017). Redes e ativismo. In M. Di Felice, E. Pereira & e, Roza (Eds.), Net-Ativismo: Redes digitais e novas práticas de participação (pp. 77-88). Campinas: Papirus.

Cisne, M. (2014). Feminismo e consciência de classe no Brasil. São Paulo: Cortez.

Ferreira, J. & Vizer, E. (2007). Mídia e movimentos sociais: linguagens e coletivos em ação. São Paulo: Paulus.

Gomes, L. (2016). Novas tendências e desafios metodológicos nos estudos de consumo midiático. In B. Campanella & C. Barros (Eds.), Etnografia e consumo midiático (pp. 69-95). Rio de Janeiro: E-Papers.

Hine, C. Estratégias para etnografia da internet em estudos de mídia. In: n B. Campanella & C. Barros (Eds.), Etnografia e consumo midiático. Rio de Janeiro: E-Papers, 2016

Hohlfeldt, A. (2001). Hipóteses contemporâneas de pesquisa em comunicação. In A. Hohlfeldt et. al. (Eds.), Teorias da Comunicação (pp. 187-240). Petrópolis: Vozes.

Jenkins, H., Ford, S. & Green, J. (2014). Cultura da conexão. São Paulo: Aleph.

Lemos, A. (2003, November15). Ciberativismo. Correio Braziliense, Caderno Pensar, s.p.

Lemos, A. & Lévy, P. (2010). O futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia. São Paulo: Paulus.

Malcher, B. (2016). Crítica, moral e espetáculo – o caso do feminismo digital. (Master thesis). Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Martín-Barbero, J. (1997). Dos meios às mediações: comunicação cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ.

Martín-Barbero, J. (2006). Tecnicidades, identidades, alteridade: mudanças e opacidades da comunicação do novo século. In D. Moraes (Ed.), Sociedade midiatizada (pp. 51-79). Rio de Janeiro: Mauad.

Martino, L. (2009). Teoria da Comunicação: ideias, conceitos e métodos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Miguel, L. & Biroli, F. (2014). Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo.

Natansohn, G. (2013). Internet em código feminino – teorias e práticas. Buenos Aires: La Crujía.

Neves, G. (2017). O caso hashtag #primeiroassédio: narrativas testemunhais como semântica coletiva nas lutas por reconhecimento no contexto digital. In Anais do VII Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política (VII Compolítica).

Prado, M. (2011). Webjornalismo. Rio de Janeiro: LTC.

Prudêncio, K. (2014). Micromobilizações, alinhamento de quadro e comunicação política. Revista ComPolitica 4(2), 87-110.

Recuero, R. (2015). Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina.

Santaella, L. (2017). Política nas redes e nas ruas. In M. Di Felice, E. Pereira & e, Roza (Eds.), Net-Ativismo: Redes digitais e novas práticas de participação (p. 89 -102). Campinas: Papirus.

Silveirinha, M. (2001). O discurso feminista e os estudos dos media: em busca da ligação necessária. Faces de Eva 6, 65-84.

Traquina, N. (2008). Teorias do jornalismo II. A tribo jornalística: uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular.

Traquina, N. (2012). Teorias do jornalismo, porque as notícias são como são (3rd ed). Florianópolis, Insular.

Thompson, J. (1998). A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes.

Wolton, D. (2010). Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v15n1.2019.1073

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.