Places of Enunciation and Disputes of Meaning of Journalistic Work in Alternative Arrangements to Media Corporations

Rafael Grohmann, Michelle Roxo, Ana Flávia Marques

Resumo


The paper intends to analyze how “alternative arrangements to media corporations” name their work activities in relation to journalism and express certain ethos in their presentation texts (official websites) – taken here as a corpus of analysis. Considering a set of initiatives of this nature in São Paulo, it seeks to identify the different places of enunciation of these arrangements, as well as the disputes of meaning engendered in these spaces. It defines operational criteria to visualize the presence/absence of identification marks (with journalism) and of differentiation (in relation to the meaning of journalism enunciated by the subjects), from the construction of two categories of analysis, classified as “markers of journalistic praxis” and “journalism qualifiers”.

O artigo pretende analisar como “arranjos econômicos alternativos às corporações de mídia” nomeiam suas atividades de trabalho em relação ao jornalismo e manifestam determinados ethos em seus textos de apresentação (sites oficiais) – tomados, aqui, como corpus de análise. Considerando um conjunto de iniciativas desta natureza em São Paulo, procura identificar os diferentes lugares de enunciação destes arranjos, bem como as disputas de sentido engendradas nestes espaços. Define critérios operacionais para visualizar a presença/ausência de marcas enunciativas de identificação (com o jornalismo) e de diferenciação (em relação ao sentido de jornalismo enunciado pelos sujeitos), a partir da construção de duas categorias de análise, classificadas como “marcadores de práxis jornalísticas” e “qualificadores de jornalismo”.

El artículo pretende analizar cómo “arreglos económicos alternativos a las corporaciones de medios” nombra sus actividades de trabajo en relación al periodismo y manifiestan determinados ethos en sus textos de presentación (sitios oficiales) – tomados aquí como corpus de análisis. Considerando un conjunto de iniciativas de esta naturaleza en São Paulo, busca identificar los diferentes lugares de enunciación de estos arreglos, así como las disputas de sentido engendradas en estos espacios. Define criterios operacionales para visualizar la presencia/ausencia de marcas enunciativas de identificación (con el periodismo) y de diferenciación (en relación al sentido de periodismo enunciado por los sujetos) a partir de la construcción de dos categorías de análisis, clasificadas como “marcadores de praxis periodística” y “calificadores de periodismo”

Palavras-chave


Alternative arrangements; Enunciation; Journalism; Meaning disputes; Work

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Abreu, A. (1998) Jornalistas: de românticos a profissionais. Antropolítica, 5 (2), pp. 7-19.

Antunes, R. (2013). A nova morfologia do trabalho e suas principais tendências. In R. Antunes (Ed.). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil II (pp. 13-28). São Paulo: Boitempo.

Aristóteles. (1998). Arte Retórica e Arte Poética. São Paulo: Ediouro.

Assis, E. et al. (2017). Autonomia, ativismo e colaboração: contribuições para o debate sobre a mídia independente contemporânea. Pauta Geral. 4 (1), pp. 3-20. Retrieved from www.revistas2.uepg.br/index.php/pauta/article/view/9899

Baccega, M. (1995). Palavra e Discurso. São Paulo: Ática.

Baccega, M. (1998). Comunicação e Linguagem. São Paulo: Moderna.

Barbosa, M. (2007). História Cultural da Imprensa: Brasil, 1900-2000. Rio de Janeiro: Mauad X.

Bakhtin, M. (2003). Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M. (2010) Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

Baldin, N. & Munhoz, E. (2011) Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. In: X Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. Curitiba/PR, pp. 329-341. Retrieved from educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/4398_2342.pdf

Barthes, R. (2001). A Aventura Semiológica. São Paulo: Martins Fontes.

Bourdieu, P. (1996). As Regras da Arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras,

Bourdieu, P. (2007). A Distinção. São Paulo: Edusp.

Bourdieu, P. (2008) A Economia das Trocas Linguísticas. São Paulo: Edusp,

Carbasse, R. (2015). Tinos para os negócios e bom jornalismo? A figura do jornalista empreendedor nos debates sobre o futuro da profissão. Brazilian Journalism Research 11 (1), pp. 262-283. doi.org/10.25200/BJR.v11n1.2015.591

Carvalho, G. & Bronosky, M. (2017). Jornalismo Alternativo no Brasil: do impresso ao digital. Pauta Geral. 4 (1), pp. 21-39. Retrieved from www.revistas2.uepg.br/index.php/pauta/article/view/10007

Casaqui, V. (2016). A Inspiração como Forma Comunicacional do Capitalismo Cool. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom). São Paulo/SP: ECA-USP. Retrieved from portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0837-1.pdf

Charron, J. & de Bonville, J. (2016). Natureza e Transformação do Jornalismo. Florianópolis: Insular.

Dardot, P. & Laval, C. (2016). A Nova Razão do Mundo. São Paulo: Boitempo.

Ducrot, O. & Todorov, T. (1988) Dicionário Enciclopédico das Ciências da Linguagem. São Paulo: Perspectiva.

Fairclough, N. (2008) Discurso e Mudança Social. Brasilia: Ed. UnB.

Figaro, R. (2014). O campo da comunicação e a atividade linguageira no mundo do trabalho. Chasqui. 126, pp. 57-65. dx.doi.org/10.16921/chasqui.v0i126.266

Figaro, R. & Nonato, C. (2017). Novos “Arranjos Econômicos” Alternativos para a Produção Jornalística. Contemporânea. 15 (1), pp. 47-63. dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v15i1.21451

Figaro, R., Nonato, C. & Grohmann, R. (2013). As Mudanças no Mundo do Trabalho do Jornalista. São Paulo: Atlas.

Figaro, R., Nonato, C. & Kinoshita, J. (2017). Jornalistas em arranjos econômicos independentes de corporações de mídia: métodos e análises iniciais. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom). Curitiba (PR). Retrieved from portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R12-0420-1.pdf

Fiorin, J. (1994). Polifonia Textual e Discursiva. In: D. Barros & J. Fiorin (Eds.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade (pp. 29-36). São Paulo: Edusp.

Fiorin, J. (2004). O Pathos do Enunciatário. Alfa. 48 (2), pp. 69-78. Retrieved from periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/download/4297/3885

Grohmann, R. (2017a) A Noção de Engajamento: sentidos e armadilhas para os estudos de recepção. Encontro Anual da Compós. São Paulo/SP: Cásper Líbero. Retrieved from www.compos.org.br/data/arquivos_2017/trabalhos_arquivo_7GE76QSBYJXKK26A2HDW_26_5189_17_02_2017_21_52_18.pdf

Grohmann, R. (2017b). Inovação como Fórmula Discursiva Convocatória para as Práticas Jornalísticas: sentidos mobilizados por textos do Observatório da Imprensa. Contemporânea. 15 (1), pp. 207-226. dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v15i1.20646

Grohmann, R & Roxo, M. (2015). Os discursos sobre o jornalista-empreendedor em sites especializados na cobertura do campo profissional. Contemporânea. 13 (2), pp. 471-486. dx.doi.org/10.9771/1809-9386contemporanea.v13i2.13524

Illouz, E. (2011). O Amor nos Tempos de Capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar.

Maingueneau, D. (2008). Análise de Textos de Comunicação. São Paulo: Cortez.

Mick, J. & Lima, S. (2013). Perfil do Jornalista Brasileiro. Florianópolis: Insular.

Nagamine, H. (2012). Conceitos e fundamentos: enunciação e construção do sentido. In R. Figaro (Ed.). Comunicação e Análise do Discurso (pp. 19-43). São Paulo: Contexto.

Nouroudine, A. (2002). A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In M. Souza-e-Silva & D. Fäita (Eds.). Linguagem e Trabalho (pp. 17-30). São Paulo: Cortez.

Oliveira, M. R. (2005). Profissão Jornalista: um estudo sobre representações sociais, identidade profissional e as condições de produção da notícia (Master Thesis). Retrieved from www.faac.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/Comunicacao/DissertacoesDefendidas/michelleroxo.pdf

Oliveira, M. R. (2016) O Jornalismo Profissional e suas Fronteiras: estratégia de distinção de um jornal-empresa a partir da emergência de novos meios e processos de produção. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom). São Paulo/SP: ECA-USP. Retrieved from portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-1952-1.pdf

Peruzzo, C. (2013). Movimentos Sociais, Redes Virtuais e Mídia Alternativa no Junho em que “o gigante acordou” (?). MATRIZes. 7 (2), pp. 73-93. doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v7i2p73-93

Pública, Agência. (2017). O mapa do jornalismo independente. Retrieved from apublica.org/mapa-do-jornalismo/

Ramos, D. & Spinelli, E. (2015.) Iniciativas do Jornalismo Independente no Brasil e Argentina. Extraprensa (USP). 9 (17), 114-123. doi.org/10.11606/extraprensa2015.104463

Reis, M. (2017). Comunicar, Resistir: um olhar sobre as práticas discursivas em rede do jornalismo independente no Brasil. Vozes & Diálogo. 16 (1), pp. 193-204. Retrieved from siaiap32.univali.br/seer/index.php/vd/article/view/9455

Ribeiro, A. P. (2003) Jornalismo, literatura e política: a modernização da imprensa carioca nos anos 1950. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, 31, pp. 147-160.

Sodré, N. W. (1977). História da Imprensa no Brasil (2nd ed). Rio de Janeiro: Edições do Graal.

Suzigan, W. et al. (2004). Clusters ou sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. Revista de Economia Política. 24 (4), pp. 543-562. Retrieved from www.rep.org.br/PDF/96-6.PDF

Traquina, N. (2013). Teorias do Jornalismo: a tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular.

Waltz, I. (2017). Mídia NINJA e o ethos profissional dos jornalistas: a ascensão da mídia livre sob a ótica da redação dos veículos de massa. Mediação. 19 (24), pp. 215-237. Retrieved from www.fumec.br/revistas/mediacao/article/view/4770




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v15n1.2019.1079

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.