(Dis)Encounters and (Re)Arrangements: What Would Michel Pêcheux Say about a Theory of Subject for Literary Journalism?

Fabiano Ormaneze

Resumo


The purpose of this paper is to reflect on the concept of subject used in the theoretical approach on literary journalism (LJ), understanding that a discursive practice that is defined from subjectivity must promote a dialogue with discussions about the historicity, the unconscious and the ideology. It is based on the concerns expressed by different authors in the sense that LJ places itself in a position of differentiation and alternative in relation to traditional proposals of journalistic production. By inserting itself in this other space of meaning production, we mobilize Michel Pêcheux’s theory of language to explain the founding subjectivity between the act of writing and reading a text presenting the LJ characteristics. From the reflection on what could be analyzed in a press text containing characteristics considered as literary, some of the questions that a discursive approach is capable of indicating for journalism are presented, as well as what would be the aesthetics of literature in the Pêcheux’s approach. We concluded on the need for an ideological analysis of LJ that is added and it proposes advances to the reflection of the formal aspects of language and content traditionally carried out in the area.
 
O objetivo deste trabalho é refletir sobre o conceito de sujeito empregado na abordagem teórica sobre o jornalismo literário (JL), entendendo que uma prática discursiva que se define a partir da subjetividade deve promover um diálogo com discussões acerca da historicidade, o inconsciente e a ideologia. Parte-se de inquietações apresentadas por diferentes autores no sentido de que o JL se coloca numa posição de diferenciação e de alternativa em relação às propostas tradicionais de produção jornalística. Ao inserir-se nesse outro espaço de produção de sentidos, mobilizamos a teoria da linguagem de Michel Pêcheux para explicar a subjetividade fundadora entre o ato de escrever e ler um texto que apresente as características do JL. A partir da reflexão sobre o que poderia ser analisado num texto da imprensa que contém características tidas como literárias, são apresentados alguns dos questionamentos que uma abordagem discursiva é capaz de indicar para o jornalismo, bem como o que seria a estética da literatura na abordagem pecheutiana. Concluímos sobre a necessidade de uma análise ideológica do JL que seja acrescentada e proponha avanços à reflexão dos aspectos formais de linguagem e conteúdo, tradicionalmente realizada na área.

El objetivo de este trabajo es reflexionar sobre el concepto de sujeto empleado en el abordaje teórico sobre el periodismo literario, entendiendo que una práctica discursiva que se define a partir de la subjetividad debe promover un diálogo con discusiones acerca de la historicidad, el inconsciente y la ideología. Se parte de inquietudes presentadas por diferentes autores en el sentido de que el periodismo literario se sitúa en una posición de diferenciación y de alternativa en relación a las propuestas tradicionales de producción periodística. Al insertarse en ese otro espacio de producción de sentidos, movilizamos la teoría del lenguaje de Michel Pêcheux para explicar la subjetividad fundadora entre el acto de escribir y leer un texto que presente las características del periodismo literário. A partir de la reflexión sobre lo que podría ser analizado en un texto de la prensa que contiene características tenidas como literarias, se presentan algunos de los cuestionamientos que un abordaje discursivo es capaz de indicar para el periodismo, así como lo que sería la estética de la literatura en el abordaje de Pêcheux. Concluimos sobre la necesidad de un análisis ideológico del periodismo literario que se añada y proponga avances a la reflexión de los aspectos formales de lenguaje y contenido, tradicionalmente realizada en el área.

Palavras-chave


Literary journalism; Subject; Discourse; Aesthetics; Pêcheux

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Bulhões, M. (2007). Jornalismo e literatura em convergência. São Paulo: Ática.

Castro, G. (2010). Jornalismo literário: Uma introdução. Brasília: Casa das Musas.

Foucault, M. (1997). Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2009). O que é um autor? In M. B. Motta (Ed.), Foucault – Ditos e escritos III. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema (pp. 264-298). 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Kramer, M. (1995). Breakable rules for Literary Journalists. In N. Sims & M. Kramer (Eds.), Literary journalism: A new collection of the best American nonfiction (pp. 21-34). New York: Ballantine Books.

Lima, E. P. (2009). Páginas ampliadas: O livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. 4. ed. São Paulo: Manole.

Lima, E. P. (2010). Jornalismo literário para iniciantes. São Paulo: Clube dos Autores.

Mariani, B. S. C. (2007). Silêncio e metáfora, algo a se pensar. In F. Indursky M. C. Leandro-Ferreira (Eds.), Análise do discurso no Brasil: Mapeando conceitos, confrontando limites. São Carlos: Claraluz.

Martinez, M. (2017). Jornalismo literário: revisão conceitual, história e novas perspectivas. Revista brasileira de ciências da comunicação, 40 (3), set/dez. pp. 21-36. DOI: 10.1590/1809-5844201732

Medina, C. (2006). O signo da relação. São Paulo: Paulus.

Medina, C. (2008). Ciência e jornalismo: Da herança positivista ao diálogo dos afetos. São Paulo: Summus.

Ormaneze, F. (2013). O gênero perfil à luz dos valores-notícia: uma contribuição ao estudo do Jornalismo Literário. In Anais 6° Encontro Paulista de Professores de Jornalismo. São Paulo: FNPJ, 1, pp. 1-15. Retrieved from www.fnpj.org.br/soac/ocs/viewpaper.php?id=983&cf=26. Acesso em 02 maio 2018.

Ormaneze, F. (2016). O “sujeito do jornalismo” e o “sujeito do discurso”: uma (re)análise da teoria do Gatekeeper a partir de M. Pêcheux. In Revista do Aled. São Carlos: UFSCar, v. 2, pp. 1-11. Retrieved from www.revistaaledbr.ufscar.br/index.php/revistaaledbr/article/view/140/134. Acesso em 03 maio 2018.

Pena, F. (2006). Jornalismo literário. São Paulo: Contexto.

Pêcheux, M. (1998). Sobre a (des)-construção das teorias linguísticas. In C. Cruz & C. Jouët Pastré (Eds.), Línguas e instrumentos linguísticos. Campinas: Pontes.

Pêcheux, M. & Gadet, F. (2004). A língua inatingível: O discurso na história da linguística. Campinas: Pontes.

Pêcheux, M. (2009). Semântica e discurso: Uma crítica à reafirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Pêcheux, M. (2012). O Discurso: Estrutura ou Acontecimento. 6. ed. Campinas: Pontes.

Proença Filho, D. (2007). A linguagem literária. 8. ed. São Paulo: Ática.

Santos, Y. (2018, 22 de Maio). Me deixe fora deste balaio. Piauí. Retrieved from piaui.folha.uol.com.br/fora-do-balaio/

Wolf, M. (1999). Teorias da comunicação. 5. ed. Lisboa: Editorial Presença.

Wolfe, T. (2005). The New Journalism. In: Wolfe, T. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Cia. das Letras, pp. 7-86.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v14n3.2018.1132

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.