Which Crimes Make the News? An Analysis of Discursive Matrices Permeating Brazilian Investigative Reporting

Seane Alves Melo, Marco Antonio Roxo

Resumo


In this paper, we try to identify the discursive matrices that permeate the notion of "investigative journalism" in Brazil, from the military dictatorship until the present day, in order to observe displacements of meaning in the act of naming the practice. Our research brought to light two principal approaches to investigative reporting, which we reconstitute in this paper: a police matrix, predominant through to the dictatorial period, which was characterized by the exploration of popular themes and emphasized the courage of journalists; and a political matrix characterized by the predominance of investigations of corruption, as influenced by institutions like the Brazilian Investigative Journalism Association (Abraji), dedicated to the growing professionalization of journalism.
 
Neste artigo tentamos identificar matrizes discursivas que perpassam a noção de “jornalismo investigativo” no Brasil, desde o período de ditadura militar até os dias atuais, para observar deslocamentos de sentido nos atos de nomeação da prática. Assim, tentamos reconstituir duas abordagens do investigativo: uma matriz policial, predominante até o período ditatorial, que se caracterizava pela exploração de temáticas populares e enfatizava a coragem dos jornalistas; e uma matriz política, caracterizada pela predominância de investigações de corrupção e pela atuação de instituições como a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), dedicadas à crescente profissionalização do jornalismo.

En este artículo buscamos identificar matrices discursivas que atravesan la noción de "periodismo investigativo" en Brasil, desde el período de dictadura militar hasta los días actuales, para observar desplazamientos de sentido en los actos de nombramiento de la práctica. De esa manera, intentamos reconstituir dos enfoques del investigador: una matriz policial, predominante hasta el período dictatorial, que se caracterizaba por la explotación de temáticas populares y enfatizaba el coraje de los periodistas; y una matriz política, caracterizada por el predominio de investigaciones acerca de corrupción y por la actuación de instituciones como Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo(Abraji), dedicadas a la creciente profesionalización del periodismo.

Palavras-chave


Discursive matrices; Investigative journalism; Police reporting; Corruption

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Abraji (n.d.). Sobre a Abraji. Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Retrieved from abraji.org.br/institucional/#sobre-a-abraji.

Abraji (2016). Estatuto Social da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Retrieved from abraji.org.br/static/arquivos/transparencia/EstatutoSocial_Abraji_2016.pdf.

Abraji (2011). Rosental Calmon Alves: uma vida dedicada ao jornalismo. Retrieved from livrozilla.com/doc/1675267/rosental-calmon-alves-uma-vida-dedicada-ao-jornalismo.

Albuquerque, A. (2017). Protecting democracy or conspiring against it? Media and politics in Latin America: a glimpse from Brazil. Journalism, November 4. doi.org/10.1177/1464884917738376

Albuquerque, A. & Paula, C. (2017). Accountability Contra Democracia: A Comunicação Política depois do Golpe. Anais do VII Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política – Compolítica. Retrieved from compolitica.org/novo/artigo/accountability-contra-democracia-a-comunicacao-politica-depois-do-golpe

Arato, A. (2002). Representação, Soberania Popular e Accountability. Lua Nova, 55-56, pp 85-103. dx.doi.org/10.1590/S0102-64452002000100004.

Barcellos, C. (1997). Rota 66. São Paulo: Globo.

Beltrão, L. (1992). Iniciação à filosofia do jornalismo. São Paulo: Edusp.

Beraba, M. (2007). Apresentação. In: F. Molica (Ed.). 50 anos de crimes: reportagens policiais. Rio de Janeiro: Record, 2007.

Broca, B. (2004). A Vida Literária no Brasil – 1900 (5th ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Bucci, E. (2014). Para não esquecer Watergate. In: Bernstein, C. & Woodward, B. Todos os homens do presidente. São Paulo: Três Estrelas.

Carvalho, L. M. (2001). Cobras criadas: David Nasser e 'O Cruzeiro'. São Paulo: Senac.

Chalaby, J. K. (1996). Journalism as an Anglo-American Invention: A Comparison of the Development of French and Anglo-American Journalism, 1830s-1920s. European Journal of Communication, 11(3). pp. 303-326. doi.org/10.1177/0267323196011003002

Coelho Neto, H. (1921). A Conquista. Porto: Liv. Chardron.

Correia, Eduardo Luiz. (2012). História e ficção na narrativa de um escândalo midiático (Doctoral dissertation). Retrieved from Repositório Institucional da UnB, repositorio.unb.br/handle/10482/11218

Christofoletti, R. & Karam, F. J. (Eds.). (2011). Jornalismo investigativo e pesquisa científica. Florianópolis: Insular.

Dias, M. (1992). Malditos repórteres de polícia. Niterói, RJ: Muiraquitã.

Dines, A. (1986). O papel do jornal: uma releitura (4th ed). São Paulo: Summus.

Ettema, James S. & Glasser, Theodore. (1998). Custodians of conscience: investigative journalism and public virtue. New York: Columbia University Press.

Faro, J. S. (1999). Revista Realidade, 1966-1968: tempo de reportagem na imprensa brasileira. Canoas: Ed. da ULBRA/AGE.

Folha Online (2003, May 23). Saiba mais sobre o dossiê Cayman. Folha Online. Retrieved from www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u49472.shtml

Fortes, L. (2012). Jornalismo Investigativo. São Paulo: Contexto.

Gomes, A. C. (1988). A Invenção do Trabalhismo. São Paulo: Vértice.

Goldstein, A. (2017). La Prensa Brasileña y sus “Cruzadas Morales”: Un Análisis de los Casos del Segundo Gobierno de Getúlio Vargas y el Primer Gobierno de Lula da Silva. Revista Dados, 60 (2), pp. 395-435. dx.doi.org/10.1590/001152582017124

Gray, J., Bounegro, L., & Chambers, L. (2012). The data journalism handbook. Beijing: O’Reilly Media.

Lopes, D. F. & Proença, J. (2003). Jornalismo investigativo. São Paulo: Publisher Brasil.

Maia, R. C. (2006). Mídia e diferentes dimensões da Accountability. E-Compós, 7. doi.org/10.30962/ec.v7i0.113

Melo, S. A. (2015). Discursos e práticas: um estudo do jornalismo investigativo no Brasil (Master thesis). Retrieved from Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27152/tde-19092016-155529/pt-br.php

Melo, S. A. (2016). Da grande reportagem ao escândalo político: os percursos do jornalismo investigativo no Brasil. Parágrafo: Revista Científica de Comunicação Social da FIAM-FAAM, 4(2), pp. 176-185. Retrieved from revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/391

Mira, M. C. (1995). Circo eletrônico – Silvio Santos e o SBT. São Paulo: Olho D‟Água/Loyola.

Montes, M.C. (1981). O discurso populista ou caminhos cruzados. In J. M. de Melo (Ed.), Populismo e comunicação (pp.61-75). São Paulo: Cortez.

Nascimento, S. (2010). Os novos escribas: o fenômeno do jornalismo sobre investigações no Brasil. Porto Alegre: Arquipélago Editorial.

Neveu, E. (2005). Sociologia do Jornalismo. Porto: Porto Editora.

Petrarca, Fernanda R. (2010). Construção do estado, esfera pública e profissionalização do jornalismo no Brasil. Revista de Sociologia e Política, 18(35), pp. 81-94. dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000100006

Ribeiro, A. P. Goulart (2007). Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 1950. Rio de Janeiro: E-papers.

Ribeiro, O. (1977). Barra pesada. Rio de Janeiro: Codecri/O pasquim.

Rodrigues, A. E. M. (2000). João do Rio: a cidade e o poeta. Rio de Janeiro: FGV.

Rodrigues, N. (1977). O Reacionário. Memórias e Confissões. Rio de Janeiro: Record.

Roxo, M. (2010). A volta do Mundo Cão na TV. In A. P. G. Ribeiro, I. Sacramento & M. Roxo (Eds.), História da Televisão no Brasil (pp 177-196). São Paulo: Contexto.

Roxo, M. (2014). Bunda de Malandro Velho não se ajeita em Calça Lee: O Seriado Plantão de Polícia, a Malandragem e a Modernização dos jornais. In A. P. G. Ribeiro, Igor S. & Marco Roxo (Eds.), Televisão, História e Gêneros (pp. 236-270). Rio de Janeiro: Multifoco.

Roxo, M. (2016). Jornalistas pra quê? Militância sindical e o drama da identidade profissional. Curitiba: Appris.

Sacramento, I. & Roxo, M. (2013). O Populismo e Neopopulismo no Jornalismo Televisivo Brasileiro. In Anais do XXII Encontro Nacional da COMPÓS. Salvador: Compós. Retrieved from www.compos.org.br/data/biblioteca_2072.pdf

Sader, E. (1988). Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970- 1980). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Santos, W. G. dos. (1979). Cidadania e justiça: a política social na ordem brasileira. Rio de Janeiro: Campus.

Sarmento, C. E. (2008). O Espelho Partido da Metrópole. Rio de Janeiro: FAPERJ/FOLHA SECA.

Schudson, M. (1978). Discovering the news: a Social History of American newspapers. New York: Basic Books.

Sequeira, C. (2005). Jornalismo investigativo: o fato por trás da notícia. São Paulo: Summus Editorial.

Silveira, J. (1998). Na fogueira: memórias. Rio de Janeiro: Mauad

Siqueira, Carla. (2002). Sexo, crime e sindicato: sensacionalismo e populismo nos jornais Última Hora, O Dia e Luta Democrática durante o segundo governo Vargas (1951-1954). (Doctoral dissertation). doi.org/10.17771/PUCRio.acad.8552

Souza, P. (2002). Narcoditadura: O Caso Tim Lopes, Crime Organizado e Jornalismo Investigativo no Brasil. São Paulo: Labortexto Editorial.

Tumber, H. & Waisbord, S. R. (2004). Introduction: Political scandals and media across democracies, volume II. American Behavioral Scientist, 47(9), pp. 1143-1152.

Waisbord, S. (2000). Watchdog journalism in South America: news, accountability, and democracy. New York: Columbia University Press. doi.org/10.1177/0002764203262340

Wanderley, S. (1995). A construção do silêncio: a Rede Globo nos projetos de controle social e cidadania (décadas 1970/1980). (Unpublishe Master Thesis). Universidade Federal Fluminense, Niterói (Brazil).




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v15n1.2019.1138

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.