CRITICAL ANALYSIS OF JOSÉ MARQUES DE MELO’S JOURNALISTIC THINKING

Francisco Rüdiger, Otávio Daros

Resumo


A pioneer figure in the field, José Marques de Melo gained justified fame in journalism studies in Brazil, without elaborating upon a systematic reflection on the subject. In this article, we proceed to the rational reconstruction of what would be his journalism theory, in order to develop a critical judgment about its intellectual meaning and epistemological limits. We argue that his ideas are part of what will be referred to here as liberal-developmentalism. In conclusion, we affirm that the lack of greater scientific and intellectual resonance in his work is the result of the incompatibilities and contradictions of this kind of thinking with the historical formation of Brazilian society.

Figura pioneira no campo, José Marques de Melo marcou posição nos estudos de jornalismo no Brasil, sem ter pretendido deixar reflexão sistemática a respeito do assunto. Procedemos neste artigo à reconstrução racional do que seria sua teoria do jornalismo para, no fim, emitir juízo crítico sobre seu significado intelectual e seus limites epistemológicos. Argumentamos que suas ideias se enquadram no que se chamará aqui de liberal-desenvolvimentismo. Em conclusão, afirmamos que a falta de maior ressonância científica e intelectual de sua obra é fruto das incompatibilidades e contradições do referido ideário com a formação histórica da sociedade brasileira.

Figura pionera en el campo, José Marques de Melo marcó posición en los estudios de periodismo en Brasil, sin haber tenido la intención de elaborar una reflexión sistemática sobre el tema. En este artículo, procedemos a la reconstrucción racional de lo que sería su teoría del periodismo para, al final, emitir un juicio crítico sobre su significado intelectual y sus límites epistemológicos. Argumentamos que sus ideas caen dentro de lo que aquí se llamará liberal-desarrollismo. En conclusión, afirmamos que la falta de mayor resonancia científica e intelectual en su trabajo es resultado de las incompatibilidades y contradicciones de esa idea con la formación histórica de la sociedad brasileña.


Palavras-chave


José Marques de Melo, Journalism studies, Journalism theory, Brazilian thought, Liberal-developmentalism

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Adorno, S. (1986). Os aprendizes do poder [Power learners]. São Paulo: Paz e Terra.

Ammirato, G. (1963). Homens e jornais [Men and newspapers]. Rio de Janeiro: Aurora.

Aragão, I., Morais, O., Pereira, C., Jaconi, S., & Gurgel, E. (Org.) (2013). Fortuna crítica de Marques de Melo. (Vols. 1-3). São Paulo: Intercom.

Aragão, I., Morais, O., Pereira, C., Jaconi, S., & Gurgel, E. (Org.) (2015). Fortuna crítica de Marques de Melo. (Vols. 4). São Paulo: Intercom.

Bahia, J. (2009). Jornal, história e técnica [Newspaper, history and technique] (5th ed.). Rio de Janeiro: Mauad.

Beltrán, L., & Cardona, E. (1982). Comunicação dominada [Dominated communication]. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Beltrão, L. (1960). Iniciação à filosofia do jornalismo [Introduction to the philosophy of journalism]. Rio de Janeiro: Agir.

Beltrão, L. (2006). Teoria e prática do jornalismo [Theory and practice of journalism]. Adamantina: Omnia.

Bresser-Pereira, L. C. (1984). Development and crisis in Brazil - 1930- 1967. Boulder: Westview Press.

Bresser-Pereira, L. C. (ed.) (2013). O que esperar do Brasil? [What to expect from Brazil?] (L. C. Bresser-Pereira, Ed.). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Bonet, D. (2004). Humanismo latino e o ensino jurídico no Brasil [Latin humanism and legal education in Brazil]. In L. Bombassaro, Dal Ri Junior, A., & Paviani, J. (Ed.), As interfaces do humanismo latino. Porto Alegre: Pucrs.

Brito, N. (2018). Luiz Beltrão e os movimentos iniciais da pesquisa em jornalismo no Brasil [Luiz Beltrão and the initial research movements in journalism in Brazil]. Pauta Geral - Estudos Em Jornalismo, 5 (2), 24–40.

Capelato, M. H. (1989). Os arautos do liberalismo [The heralds of liberalism]. São Paulo: Brasiliense.

Dines, A. (1974). O papel do jornal [The role of the newspaper]. Rio de Janeiro: Artenova.

Faoro, R. (1975). Os donos do poder [Masters of the power]. 2ª ed. Porto Alegre: Globo.

Ferreira, G. (2013). Os estudos de jornalismo comparado [Comparative journalism studies]. In Aragão, I., Morais, O., & Jaconi, S. (Org.) (2013). Fortuna crítica de Marques de Melo (pp. 35–44). (Vol. 1). São Paulo: Intercom.

Furtado, C. (1964). Development and underdevelopment. Berkeley: University of California Press.

Furtado, C. (1973). A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Gobbi, M. C. (Org.) (2001). Grandes nomes da Comunicação: José Marques de Melo. Recife: UNICAP.

Gobbi, M. C. (2010). Intellectual Journey of José Marques de Melo: 1959-2009. In Hohlfeldt, A. (org.). José Marques de Melo, construror de utopias (pp. 203-229). São Paulo: Intercom.

Goldmann, L. (1969). The Human Sciences and Philosophy. London: Jonathan Cape.

Gomes, P. (2003). José Marques de Melo e a comunicação cristã [José Marques de Melo and Christian communication]. Anuário Unesco – Umesp de Comunicação Regional, 7 (7), 171–174.

Guerra, A. (2006). Classe média: desenvolvimento e crise [Middle class: development and crisis]. São Paulo: Cortez.

Habermas, J. (1990). Para a reconstrução do materialismo histórico [For a reconstruction of historical materialism] (2nd ed.). São Paulo: Brasiliense.

Habermas, J. (1987). Hermenêutica filosófica: leitura tradicionalista e leitura crítica [Philosophical hermeneutics: traditionalist and critical readings]. Dialética e hermenêutica. Porto Alegre: LP&M.

Habermas, J. (1983). Interpretive social science vs. hermeneuticism. In Haan, N., Bellah, R., Rabinow, P., & Sullivan W. (ed.), Social science as moral inquiry (pp. 251-267). Nova York: Columbia University Press.

Hohlfedt, A. (2010). José Marques de Melo, construtor de utopias [José Marques de Melo, builder of utopias]. São Paulo: Intercom.

Hohlfeldt, A. (2003). Luiz Beltrão: do jornalismo à literatura [Luiz Beltrão: from journalism to literature]. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, XXVI (1), 69-78. DOI: 10.1590/rbcc.v26i1.1033

Jaguaribe, H. (1962). Desenvolvimento econômico e desenvolvimento político [Economic development and political development]. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Marques de Melo, J., & Tufte, T. (2018). A comunicação serve para que? [What Communication is for?] Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 41 (2), 169-185. DOI: 10.1590/1809- 58442018210

Marques de Melo, J. (2015, feb. 26). Memória Intercom. Portal Intercom. http://portalintercom.org.br/memoria/depoimentos/jose-marques-de-melo/entrevista

Marques de Melo, J. (2012a). História do jornalismo: Itinerário crítico, mosaico contextual [History of journalism: critical itinerary, contextual mosaic]. São Paulo: Paulus.

Marques de Melo, J. (2012b). A prima pobre das ciências sociais [The poor cousin from the social sciences]. Pesquisa FAPESP, São Paulo, 201. https://revistapesquisa.fapesp.br/jose-marques-de-melo-a-prima-pobre-das-ciencias-sociais/

Marques de Melo, J. (2011). Brasil democrático: comunicação e desenvolvimento [Democratic Brazil: communication and development]. Brasília: IPEA.

Marques de Melo, J., & Vizia, B. (2010, nov. 19). Falta uma pesquisa em Comunicação genuinamente brasileira [A genuine Brazilian Research in Communication is missing]. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). https://www.ipea.gov.br/portal/index. php?option=com_content&view=article&id=6479&Itemid=2

Marques de Melo, J. (2009a). Jornalismo, compreensão e reinvenção [Journalism, understanding and reinvention]. São Paulo: Saraiva.

Marques de Melo, J. (2006). Teoria do jornalismo: identidades brasileiras [Theory of journalism: Brazilian identities]. São Paulo: Paulus.

Marques de Melo, J. (2005a). Midiologia para iniciantes [Midiology for beginners]. Caxias do Sul: Educs.

Marques de Melo, J. (2005b). Comunicação Eclesial: utopia e realidade [Ecclesial communication: utopia and reality]. São Paulo: Paulinas.

Marques de Melo, J. (2005c). Exclusión Comunicacional y Democracia Mediatica [Communicative exclusion and media democracy]. In J. M. de Melo, & J. Sathler, L. (Eds.), Direitos à Comunicação na Sociedade da informação (pp. 237-244). São Bernardo do Campo: Umesp.

Marques de Melo, J. (2004a). A esfinge midiática [The media sphinx]. São Paulo: Paulus.

Marques de Melo, J. (2004b). Comunicação e evangelização na sociedade global [Communication and Evangelization in global Society]. Estudos de Religião, 17 (26), 14-23.

Marques de Melo, J. (2003). Jornalismo brasileiro [Brazilian journalism]. Porto Alegre: Sulina.

Marques de Melo, J. (2000). Gênese do pensamento comunicacional latino-americano [Genesis of Latin American communicational thinking] (J. M. de Melo, Ed.). São Bernardo do Campo: UMESP.

Marques de Melo, J. (1992). Gêneros jornalísticos na Folha de São Paulo [Journalistic genres in Folha de São Paulo]. São Paulo: FTD.

Marques de Melo, J. (1991a). Comunicação e modernidade [Communication and modernity]. São Paulo: Paulinas.

Marques de Melo, J. (1991b). Indústria cultural, jornalismo, jornalistas [Culture industry, journalism, journalists]. Revista Intercom, 14 (65), 20–29.

Marques de Melo, J. (1986). Comunicação, direito à informação [Communication, right to information]. São Paulo: Papirus.

Marques de Melo, J. (1985). A opinião no jornalismo brasileiro [The opinion in Brazilian journalism]. Petrópolis: Vozes.

Marques de Melo, J. (1984). Estado, sociedade civil e comunicação [State, civil society and communication]. Comunicação e Sociedade 6 (12), 97–102.

Marques de Melo, J. (1981a). Telemania, anestésico social [Telemania, social anesthetic]. São Paulo: Loyola.

Marques de Melo, J. (1981b). Comunicação e libertação [Communication and liberation]. Petrópolis: Vozes.

Marques de Melo, J. (1976). Subdesenvolvimento, urbanização, comunicação [Underdevelopment, urbanization, communication]. Petrópolis: Vozes.

Marques de Melo, J. (1973). Sociologia da imprensa brasileira [Sociology of the Brazilian press]. Petrópolis: Vozes.

Marques de Melo, J. (1972). Estudos de jornalismo comparado [Comparative journalism studies]. São Paulo: Editora Pioneira.

Marques de Melo, J. (1971). Comunicação, opinião, desenvolvimento [Communication, opinion, development]. Petrópolis: Vozes.

Marques de Melo, J. (1970). Comunicação social: teoria e pesquisa [Social communication: theory and research]. Petrópolis: Vozes.

Marques de Melo, J. (1965). Da responsabilidade social no jornalismo [Social responsibility in journalism]. Recife: INCIFORM.

Matta, F. (1980). A informação na nova ordem internacional [Information in the new international order]. São Paulo: Paz e Terra.

Mattos, S. (2014). O guerreiro midiático [The media warrior] (2nd ed.). São Paulo: Intercom.

Meditsch, E. (2012). Pedagogia e pesquisa para o jornalismo que está por vir. Florianópolis: Insular. [Pedagogy and research for journalism to come]

Mendonça, S. (1986). Estado e economia no Brasil [State and economy in Brazil]. Rio de Janeiro: Graal.

Merquior, J. G. (1991). O liberalismo, antigo e moderno [Liberalism, ancient and modern]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Miceli, S. (1979). Intelectuais e classe dirigente no Brasil (1920-1945) [Intellectuals and the ruling class in Brazil (1920-1945)]. São Paulo: Difel.

Mommsen, W. (1981). Pensamiento historico-universal y pensamiento político [Universal-historical thought and political thought]. Max Weber. Barcelona: Laia.

Nogueira, M. (1984). As desventuras do liberalismo [The misfortunes of liberalism]. São Paulo: Paz e Terra.

Peruzzo, C. (2014). Comunicação para o desenvolvimento, comunicação para a transformação social [Communication for development, communication for social transformation]. In M. A. Neto (Org.), Desenvolvimento nas Ciências Sociais o estado das artes (pp. 161-195). Brasília: Sociedade, Política e Desenvolvimento (IPEA).

Peterson, T. (1956). The social responsibility theory. In Siebert, F. S., Peterson, T., & Schramm, W., Four Theories of the Press (pp. 73-103). Urbana: University of Illinois Press.

Paim, A. (1984). História das ideias filosóficas no Brasil [History of philosophical ideas in Brazil]. São Paulo: Convívio.

Popper, K. (1960). The poverty of historicism. Londo: Routledge.

Porchmann, M. (2015). O mito da classe média [The myth of middle class]. Campinas: Boitempo.

Rabelo, G. (1966). O capital estrangeiro na imprensa brasileira [Foreign capital in the Brazilian press]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ricoeur, P. (1977). Interpretação e ideologias [Interpretation and ideologies]. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Ricúpero, B. (2013). O lugar das ideias [The place of ideas]. Sociologia e antropologia, 3 (6), 523-555. DOI: 10.1590/2238-38752013v368

Rizzini, C. (1946). O livro, o jornal e a tipografia no Brasil [The book, the newspaper and typography in Brazil]. Rio de Janeiro: Kosmos.

Roth, G., & Schluchter, W (1979). Max Weber’s vision of history. Berkeley: University of California Press.

Sallum Jr., B. (2013). O desenvolvimentismo e o Estado brasileiro contemporâneo [Developmentalism and the contemporary Brazilian state]. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Santos, T. (2000). A teoria da dependência – balanço e perspectivas [Dependency theory – balance and perspectives]. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Sennett, R. (2006). The culture of the new capitalism. New Haven: Yale University Press.

Sell, C. (2013). Max Weber e a racionalização da vida [Max Weber and the rationalization of life]. Petrópolis: Vozes.

Schwarz, R. (1992). As ideias fora do lugar [Misplaced Ideas]. In Misplaced Ideas (pp. 11-31). London: Verso.

Schwarz, R. (1999). Sequências brasileiras [Brazilian strings]. São Paulo: Cia. das Letras.

Schwartzman, S. (2003). Atualidade de Raymundo Faoro [The actuality of Raymundo Faoro]. Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 46 (2), 207-213. DOI: 10.1590/S0011-52582003000200001

Sodré, N. W. (1998). História da imprensa no Brasil [History of the press in Brazil]. Rio de Janeiro: Mauad.

Sousa, J. P. (2018). A história social da imprensa de José Marques de Melo [José Marques de Melo’s social history of the press]. Revista Brasileira de História da Mídia, 7 (2), 2–27. DOI: 10.26664/issn.2238- 5126.7220187614

Sousa, J. P. (2010). José Marques de Melo: Theorist of journalism. In A. Hohlfeldt (Ed.), José Marques de Melo: construtor de utopias (pp. 231-247). São Paulo: Intercom.

Stollmeier, J. C. (1996). O pensamento de José Marques de Melo sobre o relacionamento da Igreja Católica com os meios de comunicação, Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Porto Alegre, 9 julho. São Paulo: Intercom. [José Marques de Melo’s thought on the Catholic Church’s relationship with the media]

Vizeu, A. (2007). Beltrão, os estudos e as teorias do jornalismo [Beltrão, studies and theories of journalism]. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, 3 (1), 13-34. DOI: 10.1590/ rbcc.v30i1.278




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v16n2.2020.1272

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.