Regimes de convocação do ambientalismo nas revistas brasileiras de negócios

Jose Luiz Aidar Prado, Vinicius Prates

Resumo


As tensões entre o discurso liberal-capitalista e os discursos antagonistas do ambientalismo revestem-se de um especial interesse no Brasil. Este artigo apresenta um estudo dos regimes de convocação das reportagens sobre meio ambiente publicadas em 2010 nas duas revistas brasileiras mais influentes de economia e negócios, cujos contratos de comunicação propõem a modalização de executivos e empresas em direção ao sucesso econômico. Seu objetivo é analisar como os enunciadores tematizam os antagonismos ambientais conservando seu contrato geral de comunicação sob o paradigma liberal. Para isso, o enunciador constitui um regime de mesmidade/alteridade, sendo que a mesmidade é construída nos termos da corrente reformista do ambientalismo, enquanto a ecologia profunda e a ecologia radical são apresentadas como alteridades. Os pontos nodais que suturam as cadeias de equivalência do campo discursivo do ambientalismo, nos termos da mesmidade ambiental reformista, ou “sustentabilidade”, são a tecnologia e a gestão eficiente, que restituem o enunciatário ao contrato de comunicação original.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v8n2.2012.466

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.