A interação usuário x jornal em um site de rede social: indícios de uma mudança

Mabel Oliveira Teixeira

Resumo


O presente artigo visa estabelecer uma discussão acerca da relação entre usuário x jornal no ciberespaço ou, mais especificamente, na ferramenta de Comunicação Mediada por Computador (CMC), o site de rede social (SRS) Facebook. Para estabelecer tal discussão, este trabalho partiu à exploração das interações entre usuários do Facebook e um veículo jornalístico de expressão nacional, a Folha de São Paulo (FSP), através dos procedimentos metodológicos defendidos pela Teoria Fundamentada ou Fundada (TF). Sendo assim, realizou-se a coleta manual de uma notícia divulgada pela FSP no Facebook e dos 207 comentários que a seguiram. A análise e sistematização dos dados serviu à consolidação do debate pretendido e à indicação de mudanças sociais que deslocam o jornalismo de sua posição de como organizador legitimado da própria experiência humana.


Palavras-chave


Teoria Fundamentada; Sites de Rede Social; Ciberespaço; Webjornalismo

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, M. T.; ZAGO, G. Visibilidade de notícias no Twitter e no facebook: Análise comparativa das notícias mais repercutidas na Europa e nas Américas. In: Brazilian Journalism Research. v. 9, n. 1. 2013. p. 116-133.

BOURDIEU, P. On Television. Nova York: The New Press, 1998.

BOYD, D.; ELLISON, N.. Social network sites: definition, history, and scholarship. In: Journal of Computer-Mediated Communication, 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 de setembro de 2010.

BRUNO, N. tweet first, verify later? How real-time information is changing the coverage of worldwide cirsis events. Oxford: Reuters Institute, 2011. p. 77. Disponível em: . Acesso em: 20 de maio de 2013.

BRUNS, A.; HIGHFIELD, T. Blogs, twitter, and Breaking News: The Produsage of Citizen Journalism. In: ANN LIND, R. (Org.). Produsing Theory in a Digital World: The Intersection of Audiences and Production. New York: Peter Lang, 2012. p. 15-32.

CÁDIMA, F. Das crises aos desafios do jornalismo na era pós-wikileaks. In.: CUNHA, I.; CABRERA, A.; SOUSA, J.P. (Org.). Pesquisa em media e jornalismo: homenagem a Nelson Traquina. Covilhã: Labcom, 2012. p. 234-253.

CASTELLS, M. A era da intercomunicação. Le Monde Diplomatique, Paris, 1º de agosto de 2006, Biblioteca Virtual, Outro Mundo. Disponível em:< http://www.diplomatique.org.br/acervo.php?id=1915>. Acesso em: 27 de abril de 2010.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e terra, 2010.

DALMASO, S. Uma fanpage para compartilhar links: a utilização do Facebook pelo jornal Diário de Santa Maria. In: Simpósio nacional da ABCiber, 6., Novo Hamburgo. 2012. Anais... Novo Hamburgo, RS: ABCiber, 2012.

DAWKINS, R. O Gene Egoísta. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DOMINGUES, I. Netizens e prosumers: novas mídias, co-criação e consumerismo político. In: #MídiasSociais: perspectivas, tendências e reflexões. Ebook Coletivo, 2010.

GLASER, B.; STRAUSS, A. L. The Discovery of Grounded Theory: Strategies for Qualitative Research. New York: Aldine de Gruyter, 1967.

GOMES, M. Jornalismo e ciências da linguagem. São Paulo: Hacker, 2000.

HERMIDA, A. Tweets and Truth: Journalism as a discipline of collaborative verification. Journalism Practice, v. 6, n. 5-6. 2012. p. 659-668.

JENKINS, H.; FORD, S.; GREEN, J. Spreadable Media. New York: NYU Press, 2013. p. 352.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

JÚNIOR, F. Do papel ao Facebook: outras textualidades midiáticas no jornalismo da Folha de S. Paulo. Relêem, v. 6, n. 1. 2013.

LEMOS, A. Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2004.

LEMOS, A. Ciber-cultura-remix. In: Seminário Sentidos e Processos. São Paulo: Itaú Cultural, 2005. Disponível em: http://tinyurl.com/2b5tjxy. Acesso em: 10 de janeiro de 2013.

LEMOS, A.; LÉVY, P. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: 34, 1999.

O’BOYLE, L. The image of the journalist in France, Germany, and England, 1815-1848. In: Comparative Studies in Society and History. 1968. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/177803. Acesso em: 13 de junho de 2010.

PENA, F. Jornalismo literário. São Paulo: Contexto, 2006.

PRIMO, A. Os Blogs Não São Diários Pessoais Online: Matriz Para Tipificação Da Blogosfera. Porto Alegre: Revista da Famecos, n. 36. 2008.

PRIMO, A. Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e organizações; blogs, Twitter, Facebook e Flipboard. Intexto. v. 2, n. 25. 2011. p.130-146.

RECUERO, R. A Conversação em Rede. Porto Alegre: Sulina, 2012.

RECUERO, R.; FRAGOSO, S.; AMARAL, A. Métodos de Pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009a.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão. In: SOSTER, D. de A.; FIRMINO, F. (Org.). Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2009b. p. 1-269.

SCHUDSON, M. Porque as notícias são como são. In: Revista de Comunicação e Linguagens, v. 8, 1988.

SCHUDSON, M. The power of news. Cambridge: Harvard Press, 1995.

TEIXEIRA, M. O. A construção do enunciado jornalístico no Twitter. 229f. Dissertação (mestrado). Pelotas: Universidade Católica de Pelotas, 2011. Disponível em: http://antares.ucpel.tche.br/poslet/dissertacoes/Mestrado/2011/A%20Constru%E7%E3o%20do%20Enunciado%20Jornalistico%20no%20Twitter%20%20Mabel%20Oliveira%20Teixeira.pdf. Acesso em: 30 mar. 2014.

TEIXEIRA, M. O Jornalismo no Twitter: uma conversa transformadora?. In: XIII Congreso Internacional Ibercom. 13., Santiago de Compostela, 2013. Anais... Santiago de Compostela: IBERCOM, AssIBERCOM, AGACOM, 2013. p. 3945-3955.

TRAQUINA, N. Porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2005. (Teorias do jornalismo, v.1).

TRAQUINA, N. A tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular, 2008. (Teorias do jornalismo, v. 2).

VIS, F. Twitter as a reporting tool for breaking news. Digital Journalism, v. 1, n. 1. 2012. p. 27-47.

ZAGO, G. Recirculação jornalística no Twitter: filtro e comentário de notícias por interagentes como uma forma de potencialização da circulação. 201. Dissertação (mestrado). Porto Alegre: Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v10n1.2014.553

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.