O jornalista e o Outro: sobre os vestígios da sondagem e da escrita

Reges Schwaab, Angela Zamin

Resumo


Pensar o fazer e o narrar jornalísticos como empreendimentos em singular relação com o próprio tempo e as questões intrínsecas a ele é salutar. O presente texto toma os livros escritos por jornalistas como lugar de fuga para exercitar tal compreensão. A perspectiva mais ampla é a de tensionar a relação da narrativa midiática com as questões do contemporâneo em um espaço conceitual intervalar. Aqui, nosso recorte considera o trabalho da jornalista e escritora portuguesa Alexandra Lucas Coelho em três de suas obras, Caderno Afegão (2009), Viva México (2013) e Tahrir: os dias de revolução no Egito (2011), explorando o que nos dizem sobre o jornalismo e seus processos de apuração e escrita do tempo e do Outro.

Palavras-chave


narrativa; livros de repórter; práticas jornalísticas; Alexandra Lucas Coelho.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura história da cultura. São Paulo, Brasiliense, 1994.

BHABHA, Homi. Democracia des-realizada. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 148, p. 67–80, jan./mar. 2002.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

CARVALHO, Carlos A. Entendendo as narrativas jornalísticas a partir da tríplice mimese proposta por Paul Ricoeur. Matrizes, São Paulo, v. 6, n. 1-2, 2012. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault. Um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

COELHO, Alexandra Lucas. Caderno Afegão. Um diário de viagem. Lisboa: Tinta da China, 2009.

COELHO, Alexandra Lucas. Corta-e-cola até à derrota final. Atlântico Sul, blog. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

COELHO, Alexandra Lucas. Tarhir: os dias da revolução no Egito. Rio de Janeiro: Língua geral, 2011.

COELHO, Alexandra Lucas. Uma ponte entre a escrita e o mundo (entrevista). In: MAROCCO, Beatriz. O jornalista e a prática – entrevistas. São Leopoldo, RS: Ed. Unisinos, 2012, p. 157-179.

COELHO, Alexandra Lucas. Viva México. Rio de Janeiro: Tinta-da-china Brasil, 2013.

DE LA HIGUERA, JAVIER. Estudio Preliminar. In: FOUCAULT, Michel. Sobre la ilustración. 13. reimp. Madrid: Tecnos, 2013. p. IX-LXVII.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 14. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

FOUCAULT, Michel. As reportagens de ideias. In: BERGER, C.; MAROCCO, B. Ilha do Presídio: uma reportagem de ideias. Porto Alegre: Libretos, 2008. pp-49-51.

FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. (Ditos e Escritos, III).

FOUCAULT, Michel. Mesa redonda em 20 de maio de 1978. In: Estratégia, Poder-saber. Rio Janeiro: Forense Universitária, 2010. p. 335-351.

FRANCA, Vera. Impessoalidade da experiência e agenciamento dos sujeitos. In: LEAL, Bruno Souza; GUIMARÃES, César; MENDONÇA, Carlos (orgs.). Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 39-54.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. 5 reimpr. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1996.

MANSANO, S. R. V. Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Revista de Psicologia da UNESP, v. 8, n. 2, 2009. p. 110-117. Disponível em:. Acesso em: 5 jan. 2015.

MARCOS, Maria Lucília. Princípio da relação e paradigma comunicacional. Lisboa: Colibri, 2007.

MAROCCO, B. Os “livros de repórter”, o “comentário” e as práticas jornalísticas. Revista Contracampo, Niterói, n. 22, fev. 2011, p. 116-129. (Programa de Pós-Graduação em Comunicação). Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

_____. Reportagem de transgressão, um giro no tratamento da fonte jornalística. In: BERGER, C.; MAROCCO, B. Ilha do Presídio: uma reportagem de ideias. Porto Alegre: Libretos, 2008. p- 33-47.

PELLAUER, David. Ações narradas como fundamento da identidade narrativa. In: NASCIMENTO, Fernando; SALLES, Walter (orgs.). Paul Ricoeur: ética, identidade e reconhecimento. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2013. p. 57-79.

PETERS, John D. Speaking in the air – a history of the idea of communication. Chicago: The University of Chicago Press, 1999.

RESENDE, Fernando. O jornalismo e suas narrativas: as brechas do discurso e as possibilidades do encontro. Galáxia, São Paulo, n. 18, p. 31-43, dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2015.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. v. 1. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010a. (A intriga e a narrativa histórica).

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. v. 3. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010b. (O tempo narrado).

SCHNEIDER, Sabrina. Ficções sujas: por uma poética do romance-reportagem. Tese. (Doutorado em Letras). Pontifícia universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2013.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v11n1.2015.680

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.