A problematização da transmidiação no contexto jornalístico: uma análise da narrativa transmídia a partir de reportagens

Maria do Socorro Furtado Veloso, Yuri Borges de Araújo

Resumo


O conceito de narrativa transmídia (JENKINS, 2009a) vem ganhando aceitação e aplicações nos mais diversos campos da comunicação, inclusive no jornalismo. No entanto, nem sempre tais empregos são feitos levando em consideração as características da área estudada. Este artigo pretende trabalhar a problematização da narrativa transmídia (NT) no campo jornalístico, a partir de três fontes: a conceituação desenvolvida por Fechine et al. (2011, 2012, 2013) a partir de um fenômeno mais amplo, a transmidiação; estudos que buscam caracterizar o discurso jornalístico (CHARAUDEAU, 2009a, 2009b); e a tradição teórica construída em torno do newsmaking. Assim, se irá propor os conceitos de “conteúdo jornalístico transmídia” e “jornalismo transmídia”, que subsumem a própria NT. Por fim, será realizada uma análise de como se dá presença da narrativa transmídia em duas produções jornalísticas específicas, de modo a melhor caracterizar o seu lugar dentro da problematização mais ampla da transmidiação no jornalismo.


Palavras-chave


narrativas transmídias; transmidiação; jornalismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALSINA, Miquel Rodrigo. A Construção da Notícia. Petrópolis: Vozes, 2009.

BARTHES, Roland et al. Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2009.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Sotaques d'aquém e d'além mar: percursos e gêneros do jornalismo português e brasileiro. São Paulo: Summus, 2008.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2009 (a).

______ . Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Contexto, 2009(b).

D’ONOFRIO, Salvatore. Teoria do texto 1 – prolegômenos e teoria narrativa. São Paulo: Ática, 1995.

FECHINE, Yvana; FIGUEIRÔA, Alexandre. Transmidiação: explorações conceituais a partir da telenovela brasileira. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo de (Org.). Ficção televisiva transmidiática no Brasil: plataforma, convergências, comunidades virtuais. Porto Alegre: Sulinas, 2011, p. 17-59.

FECHINE, Yvana. Transmidiação, entre o lúdico e o narrativo. In: CAMPALANS, Carolina; RENÓ, Dênis; GOSCIOLA, Vicente (Eds). Narrativas transmedia: entre teorias e prácticas. Bogotá: Editorial Universidad del Rosario, 2012, p. 69-84.

FECHINE, Yvana et al. Como pensar conteúdos transmídias na teledramaturgia brasileira? Uma abordagem a partir das telenovelas da Globo. In: LOPES, Maria Immacolata Vassallo (org). Estratégias de transmidiação na ficção televisiva brasileira. Porto Alegre: Sulina, 2013, p. 19-60.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2ª ed., São Paulo, Aleph, 2009 (a).

_______. If it doesn’t spread, it’s dead, 2009 (c). Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2012.

_______. Transmedia Storytelling: moving characters from books to filmes to video games can make them stronger and more compelling. 2003. Disponível em: . Acesso em: 9 mai. 2012.

MELO, Jose Marques de. Opiniao no jornalismo brasileiro. 2ª ed. Petropolis: Vozes, 1994.

PALÁCIOS, Marcos. Ruptura, continuidade e potencialização no jornalismo online: o lugar da memória. In: MACHADO, Elias; PALÁCIOS, Marcos. Modelos do jornalismo digital. Salvador: Editora Calandra, 2003.

SCOLARI, Carlos Alberto. Hipermediaciones – Elementos para una teoría de la comunicación digital interactiva. Barcelona: Gedisa, 2008.

SEIXAS, Lia. Gênero jornalístico: uma noção transmidiática. Trabalho apresentado no V SIGET, Caxias do Sul, RS, 2009. Disponível em: . Acessado em: jul. 2013.

WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v11n1.2015.714

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.