Narrativas Automatizadas e a Geração de Textos Jornalísticos: A Estrutura de Organização do Lead Traduzida em Código

Márcio Carneiro dos Santos

Resumo


Descreve-se o experimento de construção de um software capaz de gerar leads e títulos jornalísticos de forma automatizada a partir de informações obtidas na internet. A possibilidade teórica já prevista por Lage no final do século passado baseia-se na estrutura simples e relativamente rígida desse tipo de construção narrativa, o que facilita a representação ou tradução da sua sintaxe em termos de instruções que os computadores possam executar. Discutem-se também as relações entre sociedade, técnica e tecnologia, fazendo um breve histórico sobre a introdução das soluções digitais nas redações jornalísticas e seus impactos. O desenvolvimento foi feito com a linguagem de programação Python e a biblioteca NLTK- Natural Language Toolkit – e usou os resultados do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2013 publicados em portal da internet como fonte de dados.

 


Palavras-chave


Narrativas Automatizadas. Jornalismo online. Python. Inteligência artificial. NLTK.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, Tacyana. O lead automatizado: uma possibilidade de tratamento da informação para o jornalismo impresso diário. Revista Exacta, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, 2009.

AUTOMATED INSIGHTS. 2013. Site Internet. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2013.

BARBOSA, Suzana; TORRES, Victor. O paradigma ‘Jornalismo Digital em Base de Dados’: modos de narrar, formatos e visualização para conteúdos. Galaxia (São Paulo, Online), n. 25, p. 152-164, jun. 2013.

BARBOSA, Suzana. Jornalismo em ambientes dinâmicos: perspectivas, tendências e desafios para a criação de conteúdos em tempos de convergência. In: Actas III Congreso Internacional de Ciberperiodismo y Web 2.0. Bilbao, Espanha: Universidad del País Vasco, 2011.

BARBOSA, Suzana. Modelo JDBD e o ciberjornalismo de quarta geração. In: FLORES VIVAR, J. M.; RAMÍREZ, F. E. (Ed.). Periodismo Web 2.0. Madrid: Editorial Fragua, 2009. p. 271-283.

BARBOSA, Suzana. Modelo Jornalismo Digital em Base de Dados (JDBD) em Interação com a Convergência Jornalística. In: Textual & Visual Media. Revista de la Sociedad Española de Periodística. vol. 1, Madrid, 2008, p. 87-106.

BARBOSA, Suzana. Jornalismo Digital em Base de Dados (JDBD) – um paradigma para produtos jornalísticos digitais dinâmicos. (Tese de Doutorado). PósCOM/UFBA, 2007. Disponível em: . Acesso em: 4 fev. 2012.

BIG TEN NETWORK. 2014. Portal Internet. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2014.

BRADSHAW, Paul; ROHUMAA, Liisa. The online journalism handbook: skills to survive and thrive in the digital age. Essex: Pearson Education, 2011.

BRANCH, John. Snow Fall: the avalanche at Tunnel Creeak. The New York Times, New York, (200-]). Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2014.

CARLSON, Matt. The Robotic Reporter: automated journalism and the redefinicion of labor, compositional forms and journalistic authority. In: LEWIS, Seth C. (org.). Digital Journalism. Vol. 3, nº 3. New York: Taylor&Francis Online, 2014.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CLERWALL, Christer. Enter the Robot Journalist: User’s perception of automated content. In: Journalism Practice. Special Issue – Future of Journalism in an age of digital media and economic uncertainty. Volume 8, Issue 5. New York: Taylor&Francis Online, 2014.

COPPIN, Ben. Inteligência artificial. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

DALEN, Arjen. The Algorithms Behind the Headlines: How machine-written news redefines the core skills of human journalists. In: Journalism Practice. Volume 6, Issue 5-6. New York: Routledge, 2012.

DEVAUX, Pierre. Autómatos, automatismo e automatização. Tradução Luis Borges Coelho. Lisboa: Editorial Gleba, 1964. (Coleção Horizonte, n.3).

ECO, Humberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ELLUL, Jacques. A técnica e o desafio do século. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

FEENBERG, Andrew. E-book. Transforming technology: a critical theory revisited. New York: Oxford University Press, 2002.

FEENBERG, Andrew. E-book. Between reason and experience. Essays in technology and modernity. Cambridge, MA: Mit Press, 2010.

FIDALGO, Antônio. A resolução semântica no jornalismo online. In: BARBOSA, S. (Org.). Jornalismo digital de terceira geração. Covilhã, PT: LivrosLabCOM, 2007. p. 93-102.

FEENBERG, Andrew. Do poliedro à esfera: os campos de classificação. A resolução semântica no jornalismo online. In: Anais II Encontro Nacional da SBPJor. Salvador-BA/Brasil, 2004.

GRAEFE, Andreas. Guide to Automated Journalism. Tow Center for Digital Journalism. Janeiro, 2016. Disponível em https://www.gitbook.com/book/towcenter/guide-to-automated-journalism/details . Acessado em 20/01/2016.

HAAK, Bregtje; PARKS, Michael; CASTELLS, Manuel. The Future of Journalism: Networked Journalism. In: Internacional Journal of Communication. Vol. 6. 2012.

LAGE, Nilson. O lead clássico como base para a automação do discurso informativo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISADORES DA COMUNICAÇÃO INTERCOM, 20., 1997, Santos. Anais... Santos, SP. 1997.

LATAR, Noam. The Robot Journalism in the Age of Social Physics: The end of human journalism? In: The New World of Transitioned Media. Springer, 2015.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LEWIS, Seth; USHER, Nikki. Code, Collaboration and The Future of Journalism: A case study of the Hacks/Hackers global network. In: Digital Journalism. Routledge Online, 2014.

LUTICE CRÉATIONS. Site Internet, Paris, [2000-]. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2014.

KNIGHT, Megan; COOK, Clare. Social media for journalists: principles e practice. Londres: Sage, 2013.

MACHADO, Elias. O ciberespaço como fonte para os jornalistas. Salvador: Calandra, 2003.

MACHADO, Elias. O Jornalismo Digital em Base de Dados. Florianópolis: Calandra, 2006.

MIELNICZUK, Luciana. Características e implicações do jornalismo na web. 2001. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2010.

MOROZOV, Evgeny. A robot stoled my Pulitzer!: future tense. 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2014.

NARRATIVE SCIENCE. 2010. Site Internet. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2013.

PORTAL TERRA. Esporte. 2014. Portal Internet. Disponível em: . Acesso em: 31 maio 2014.

RAMOS, Daniela. Formato: condição para a escrita do Jornalismo Digital em Bases de Dados. Uma contribuição da semiótica da cultura. (Tese de Doutorado). ECA/USP, 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 abril 2015.

RÜDIGER, Francisco. Introdução às teorias da cibercultura: tecnocracia, humanismo e crítica no pensamento contemporâneo. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2007.

SANTOS, M. Journalism and the Internet of Things: can raw data change everything, again? In: International Conference on Integrated Journalism Education, Research and Innovation (Resumos). Integrated Journalism in Europe – IJE, 2015, Barcelona, pag. 59. Disponível em: http://eventia.estaticos.econgres.es/2015_IJIE/BookProgramme.pdf>. Acessado em 07/01/2015.

SENNETT, R. O artífice. Rio de Janeiro: Record, 2009.

SORIA, Carlos. Convergência de mídias. 2014. Palestra apresentada ao Seminário sobre Integração Multimídia, São Luís, 2014.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v12n1.2016.757

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.