“Sui Generis” Journalism? Visibility, Identities and Journalistic Practices in a 1990s Brazilian Gay Magazine

Ricardo Augusto de Saboia Feitosa

Resumo


This article examines the Sui Generis magazine (1995-2000), one of the most relevant gay press magazines in Brazil. We study the importance of this publication and the field of journalism in terms of producing and reproducing representations and processes of identities and relations of gender and sexuality. The methodology involves a discursive reading of editorials, cover stories and reader letters published between January 1995 and March 2000, as well as a restructuring of journalistic work and daily practices in newsrooms through interviews with reporters, columnists and editors. We reached the conclusion that choosing a policy of visibility based on outing and concepts of gay "identities" and "communities" allowed the magazine to create specific and more valued ways of what homosexuality is, which leads to a critical reflection on what these policies have achieved, and what their limits and tensions are.

O artigo propõe uma investigação da revista Sui Generis (1995-2000), título do segmento especializado designado como “imprensa gay” brasileira. Busca-se compreender a relevância da publicação e deste campo jornalístico como instâncias historicamente produtoras e reprodutoras tanto de representações como dos processos de agenciamento de identidades e relações de gênero e sexualidade. Adota-se como metodologia a leitura discursiva de editoriais, reportagens de capa e cartas dos leitores publicados entre janeiro de 1995 e março de 2000; e a reconstituição, por meio de entrevistas com repórteres, colunistas e editores, do fazer jornalístico e das práticas cotidianas da redação. A análise permite constatar que, ao eleger como estratégia uma política de visibilidade calcada no outing e na elaboração de noções de “identidade” e “comunidade” gays, forjam-se modos específicos e mais valorizados do que seria a homossexualidade, exigindo uma reflexão crítica das conquistas dessas políticas, dos seus limites e de suas tensões.

En ese artículo se propone investigar la revista Sui Generis (1995-2000), título del segmento especializado denominado "prensa gay" en Brasil. En él, se busca comprender la relevancia de la publicación y de este campo periodístico como instancias históricamente productoras y reproductoras tanto de representaciones como de los procesos de agenciamiento de identidades y relaciones de género y sexualidad. La metodología elegida fue la lectura discursiva de editoriales, reportajes de portada y cartas de los lectores publicados entre enero de 1995 y marzo de 2000; y la reconstitución, por medio de entrevistas con reporteros, columnistas y editores, del trabajo periodístico y de las prácticas cotidianas de la redacción. El análisis permite constatar que, al elegir como estratégica una política de visibilidad basada en el outing y en la elaboración de nociones de "identidad" y "comunidad" gays, se forjan modos específicos y más valorados de lo que sería la homosexualidad, exigiendo una reflexión crítica de las conquistas de esas políticas, de sus límites y de sus tensiones.

Palavras-chave


Gay Press; Homosexuality; Visibility; Journalism; Identities

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Altman, D. (1998). The end of the homosexual?.In P. M. Nardi, B. E. Schneider (Eds.), Social perspectives in lesbian and gay studies: a reader (pp. 306-311). Londres: Routledge.

Baim, T. (Ed.) (2012). Gay press, gay power: the growth of LGBT community newspapers in America. Chicago: Prairie Avenue Productions.

Butler, J. (2010). Cuerpos que importan: sobre los limites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós.

De Lauretis, T. (1987). Technologies of gender: essays on theory, film and fiction. Bloomington: Indiana University Press.

Feitosa, N. (1995a, janeiro). Editorial. Sui Generis, 1, 4.

Feitosa, N. (1995b, dezembro). Chega de cara feia. Sui Generis, 8, 3.

Feitosa, N. (1995c, outubro). Até o fim. Sui Generis, 6, 7.

Feitosa, N. (1996, janeiro). Só entre nós, não!. Sui Generis, 9, 6.

Feitosa, R.A.S. (2014). Linhas e entrelinhas: homossexualidades, categorias e políticas sexuais e de gênero nos discursos da imprensa gay brasileira (PhD Dissertation). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. Retrieved from http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/8585

Fontcuberta, M. de (1993). La noticia: pistas para percibir el mundo. Barcelona: Paidós.

França, I. L. (2010). Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade, consumo e subjetividades na cidade de São Paulo. (PhD Dissertation). Programa de Doutorado em Ciências Sociais, Universidade de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Retrieved from http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_28202caa2536419359aff97988a75132

Funck, S.B.; Wildhozer, N. (Ed.). (2005). Gênero em discursos da mídia. Florianópolis: Ed. Mulheres.

Gill, R. (2006). Gender and the media. Cambridge: Polity Press.

Irvine, J. M. (1998). A place in the rainbow: theorizing lesbian and gay culture. In P. M. Nardi, B. E. Schneider (Eds.), Social perspectives in lesbian and gay studies: a reader (pp. 232-248). Londres: Routledge.

Laura, Déborah de Souza. Chega de homem! Cartas. (1995). Sui Generis, ano 1, n. 6, p. 6.

Leal, B.S; carvalho, C.A. (2012) Jornalismo e homofobia no Brasil: mapeamento e reflexões. São Paulo: Intermeios.

Macrae, E. (1990). A construção da igualdade: identidade sexual e política no Brasil da “Abertura”. Campinas: Ed.Unicamp.

Marques De Melo, J. (2003). Jornalismo brasileiro. Porto Alegre: Ed. Sulina.

Miskolci, Richard. (2017). Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Monteiro, M. S. A. (2000). Masculinidades em revista: um estudo de VIP Exame, Sui Generis e Homens. (Master Thesis). Mestrado em Antropologia Social, Unicamp, Campinas, SP, Brasil. Retrieved from http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CAMP_690700b4e54cb65313020f58b63fc689/Description

North, L. (2009). The gendered newsroom: how journalists experience the changing world of media. Cresskill: Hampton Press.

Parker, R. (2002). Abaixo do equador: culturas do desejo, homossexualidade masculina e comunidade gay no Brasil. Rio de Janeiro: Record.

Pelúcio, L. et al. (Eds). (2012). Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. Marília: Oficina Universtitária; São Paulo: Cultura Acadêmica.

Pereira, Pedro Paulo Gomes. (2012). Queer nos trópicos. Contemporânea, 2(2), 375-394.

Péret, F. (2011). Imprensa gay no Brasil: entre a militância e o consumo. São Paulo: Publifolha.

Quiroga, J. (2000). Tropics of desire: interventions from queer Latino America. Nova York: NY University Press.

Rafael, Rosely. Gay demais. Cartas. (1996). Sui Generis, ano 2, n. 13, p. 6.

Reyes JR., Jorge @Jorge Reyes Jr. Bi também é gay. Cartas (1996). Sui Generis, ano 2, n. 9, p. 9.

Rodrigues, J. C. (2010). Impressões de identidade: um olhar sobre a imprensa gay no Brasil. Niterói: EdUFF.

Ronaldo. Sem estigma. Cartas. (1996). Sui Generis, ano 2, n. 9, p. 8.

Sedgwick, E. K. (1990). Epistemology of the closet. Berkeley/Los Angeles: University of California Press.

Simões, J. A.; França, I. L. (2005). Do “gueto” ao mercado. In J.N. Green, R. Trindade (Eds.), Homossexualismo em São Paulo e outros escritos (p. 3-9-336). São Paulo: Editoria Unesp.

Simões, J.A.; Facchini, R. (2009). Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Editora Perseu Abramo.

Simon, W; Gangnol, J. N. (1998). Homosexuality: the formulation of a sociological perspective. In P. M. Nardi, B. E. Schneider (Eds.), Social perspectives in lesbian and gay studies: a reader (pp. 59-67). Londres: Routledge.

Silva, C. Incrível. Cartas. (1995). Sui Generis, ano 1, n. 7, p. 6.

Souza, Ana Cláudia. Touché. Sui Generis, Rio de Janeiro, out 1995. Capa, 30-35.

Steve. Vai passar. Cartas. (1996). Sui Generis, ano 2, n. 9, p. 8.

Streitmatter, R. (1995). Unspeakable: the rise of the gay and lesbian press in America. Winchester: Faber and Faber.

Traquina, N. (2008). Teorias do jornalismo: a tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional. Florianópolis: Insular.

Trevisan, J. S. (2000). Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Record.

Trindade, R. (2004). De dores e amores: transformações da homossexualidade paulistana da virada do século XX. (Unpublished PhD Dissertation). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Vaz, P.B.; Trindade, V. C. (2013). Capas de revista e seus leitores: um novo texto em cartaz. In F. M. B. Tavares, R. Schwaab (Eds.), A revista e seu jornalismo (pp. 221-234). Porto Alegre: Pense.

Zamin, A. (2014). Jornalismo de referência: o conceito por trás da expressão. Revista Famecos: mídia, cultura e tecnologia, 21(3), 918-942.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v14n1.2018.1046

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.