Respect The Girls! Discursive Analysis on the Developments of the Chronicle "The Intern/Melissinha’s First Day of Work" by Correio Braziliense

Liziane Soares Guazina, Dione Oliveira Moura, Fabíola Orlando Calazans, Fernanda Martinelli, Liliane Machado

Resumo


In this article, our objective is to discuss the production of gender inequality by journalism, both in the content production and in media companies’ work structures, and the public process of denouncing this phenomenon in social networks. The publication of a chronicle in the newspaper Correio Braziliense entitled "The Intern/Melissinha’s first day of work", is the starting point. By sexualizing the entry of young women journalism students into the newspaper's editorial office, the chronicle reproduces and naturalizes gender-based violence that is systematically installed in some of these spaces. We note that the case can be understood as a feminization process that undertook discursive battles to combat gender discrimination against female journalism interns or against professional journalist women.

Neste artigo, nosso objetivo é discutir a produção da desigualdade de gênero pelo jornalismo, tanto na produção de conteúdo quanto nas estruturas de trabalho das empresas de mídia, e o processo público de denúncia deste fenômeno nas redes sociais. A publicação de uma crônica no jornal Correio Braziliense intitulada “A Estagiária/O primeiro dia de trabalho de Melissinha”, é o ponto de partida. Ao sexualizar o ingresso de jovens mulheres estudantes de jornalismo na redação do jornal, a crônica reproduz e naturaliza violências de gênero que se instalam de forma sistemática em alguns desses espaços. Observamos que o caso pode ser compreendido como um processo de feminização que empreendeu batalhas discursivas de combate à discriminação de gênero contra estagiárias de jornalismo ou contra mulheres jornalistas profissionais.

En este artículo, nuestro objetivo es discutir la producción de desigualdad de género por el periodismo, tanto en la producción de contenido, como en las estructuras de trabajo en las empresas mediáticas y el proceso público de denuncia de este fenómeno en las redes sociales. La publicación de una crónica en el periódico Correio Braziliense intitulada “La pasante/El primer día de trabajo de Melissinha”, es el punto de partida. Con la sexualización del ingreso de jóvenes mujeres estudiantes de periodismo en la redacción de un periódico, la crónica reproduce y naturaliza violencias de género que se instalan de forma sistemática en algunos de esos espacios. Observamos que el caso puede ser entendido como un proceso de feminización que emprendió batallas discursivas contra la discriminación de género contra las pasantes de periodismo y periodistas profesionales.

Palavras-chave


Journalism; Genre; Feminization ; Discursive formations ; Correio Braziliense

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Arruda, A. (2000). Feminismo, gênero e representações sociais. Textos de História: Revista da Pós-Graduação em História da UnB. Brasília, 8(1-2), pp. 113-138.

Associação Nacional de Jornais [ANJ]. (2015). Maiores jornais do Brasil. Retrieved from: www.anj.org.br/maiores-jornais-do-brasil.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Buton, F. (2009). Portrait du politiste en socio-historien: La “socio-histoire” dans les sciences politiques. In F. Buton, N. Mariot (Eds.), Pratiques et méthodes de la socio-histoire (pp. 1-22). Paris: PUF.

Byerly, C. M. (Ed). (2011). Global Report on the status of women in the news media. Washington, DC: International Women’s Media Foundation.

Byerly, C. M. (Ed.). (2013). The Palgrave International Handbook of Women and Journalism. New York: Palgrave Macmillan.

Carvalho, G., e Portela, M. R. (2016). Jornalistas intimidadas: Dados da violência moral na Região Sul do Brasil. XVII Congresso de Ciências da Comunicação da Região Sul. Curitiba. Annals.

De Lauretis, T. (1986). Feminist Studies/Critical Studies: Issues, terms, and contexts. In De Lauretis, T. (ed.), Feminist Studies/Critical Studies (pp. 1-19). Bloomington e Indianapolis: Indiana University Press.

Del Vecchio-Lima, M., e Souza, H. A. (2007, December). Espaços alternativos na internet como formas de visibilizar as mulheres no jornalismo brasileiro. Media & Jornalismo, 17(31), pp. 131-152. Retrieved from www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-54622017000200010.

Dubeux, A. (2017, September 13). Visão do Correio: Hora de mudar. Correio Braziliense, Cidades, p. 10.

Ferreira, M. C. L. (2010). Análise do discurso e suas interfaces. O lugar do sujeito na trama do discurso. Organon. Revista do Instituto de Letras da UFRGS, 24 (48), pp 1-12. Retrieved from http://www.seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/28636/17316.

Goulart, G. (2017a, September 11). A estagiária/O primeiro dia de trabalho de Melissinha. Correio Braziliense, Cidades, p. 16.

Goulart, G. (2017b, September 12). Crônica da Cidade: um erro sem perdão. Correio Braziliense, Cidades. Retrieved from www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/09/12/interna_cidadesdf,625140/cronica-da-cidade-um-erro-sem-perdao.shtml.

Gudipaty, N., Ramaprasad, J., Pasti, S., Lago, C., Li, X., e Rodny-Gumede, Y. (2018). Towards equality? In: S. Pasti, J. Ramaprasad (Eds.), Contemporary Brics Journalism: Non-western media in transition (pp.104-129). Londres: Routledge.

Koshiyama, A.M. Mulheres jornalistas na imprensa brasileira. (2001, September). XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Campo Grande. Annals.

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Machado, L. M. M. (2017). A Fragilidade dos Laços Femininos: as representações sobre o rompimento da amizade entre duas garotas na série Stranger Things. In C. Stevens, S. Oliveira, V. Zanello. (Eds.), Mulheres e Violências (pp. 114-126), Interseccionalidades. Brasília: Technopolitik.

Maingueneau, D. (2002). Análise de textos de Comunicação. (2a ed.). São Paulo: Cortez.

Maingueneau, D. (1997). Novas Tendências em Análise do Discurso. (3rd ed.). Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas.

Martinez, M., Lago, C., e Lago, M. C. de S. (2016). Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação. Revista Famecos, 23(2), pp. 1-23.

Mick, J., e Lima, S. P. (2013). Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. (1st ed.). Florianópolis: Insular.

Navarro-Swain, T. (Eg.). (2000). Feminismo: teorias e perspectivas. Textos de História: Revista do Programa de Pós-graduação em História da UnB, 8(1-2), pp. 5-8.

Orlandi, E. P. (2003). A análise de Discurso em suas diferentes tradições intelectuais: o Brasil. Seminário de Estudos em Análise de Discurso. Porto Alegre, RS, Brasil, 1. Annals. Retrieved from www.analisedodiscurso.ufrgs.br/anaisdosead/1SEAD/Conferencias/EniOrlandi.pdf.

Orlandi, E. P. (2007). As Formas do Silêncio: no movimento dos sentidos. (6th ed.). Campinas: Editora da Unicamp.

Pena, F. (2007). Teorias do Jornalismo. (2nd ed.). São Paulo: Contexto.

Ramos, R. H. P. (2010). Mulheres Jornalistas: A grande invasão. São Paulo: Imprensa Oficial/Fundação Cásper Líbero.

Rocha, P. M. (2004). As Mulheres Jornalistas no Estado de São Paulo: O Processo de Profissionalização e Feminização da Carreira. PhD Dissertation. Universidade Federal de São Carlos, Brazil.

Rocha, P. M., Oliveira, M. A., e Kuhl, C. E. (2013). A história do ingresso das mulheres nas redações de dois impressos de Ponta Grossa. 9º Encontro Nacional de História Mídia. Ouro Preto. Annals.

Rocha, P. M., e Sousa, J. P. (2011). O mercado de trabalho feminino em jornalismo: Análise comparativa entre Portugal e Brasil. Impulso, 21(51), pp. 8-18.

Rocha, P. M., e Woitowicz, K. J. (2017). O processo de feminização do jornalismo: da invisibilidade às mudanças no mercado profissional. 13º Women’s Worlds / 11º Fazendo Gênero. Tranformations, connections, displacements. Florianópolis. Annals.

Silva, M. V. (2014). Masculino, o gênero do jornalismo: Modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular.

Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal [SJPDF]. (2016). Pesquisa Desigualdade de Gênero no Jornalismo. Brasília: SJPDF. Retrieved from www.sjpdf.org.br/images/Pesquisa_Desigualdade_de_G%C3%AAnero_no_Jornalismo_-_Resultados.pdf

Souza, A. F. C. (2009). Mulheres jornalistas: percursos e percalços. V Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura/ENECULT, Salvador. Anais. Retrieved from www.cult.ufba.br/enecult2009/19152.pdf.

Souza, E. M., e Bueno, J. M. (2017). Elas na TV: de piadas a gracejos: um estudo sobre o assédio na perspectiva de jornalistas e estudantes de jornalismo de Uberlândia/MG. V Seminário Catarinense sobre Prevenção ao Assédio Moral no Trabalho. Florianópolis. Annals. Retrieved from neppot.ufsc.br/files/2017/11/2017-Anais-do-evento.pdf#page=41.

Yannoulas, S. (2011). Feminização ou femilização: Apontamentos em torno de uma categoria. Temporalis, 11(22), pp. 271-292.




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v14n1.2018.1067

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.