Reproductive Rights and Journalism: The Case of Brazilian Women's Spring

Laís Cristine Ferreira Cardoso, Nataly de Queiroz Lima, Heitor Costa Lima da Rocha

Resumo


This article aims at reflecting on one of the most arid grounds of the discussion regarding gender in journalism: reproductive rights. More specifically, we seek to identify what has been published about the discussion on abortion in the media and the potential of the historical moment, in which new movements reheat the debate on women's rights. To that end, we have collected data, analyzed content, and articulated intersectional theoretical references of the two fields, gender relations and the journalistic field, based on the coverage of the movement of Brazilian women in November 2015, known as Women's Spring, in the national magazines Época and IstoÉ. The analysis of the material has revealed a wide coverage, not criminalizing, but restricted to the traditional discursive rituals that surround topics considered as taboo and which do not fit into a public health framing.

Este artigo se propõe a refletir acerca de um dos terrenos mais áridos da discussão de gênero no jornalismo, os direitos reprodutivos. Mais especificamente, buscamos identificar os interditos à discussão sobre o aborto na mídia e as potencialidades do momento histórico, no qual novos movimentos reaquecem o debate sobre os direitos das mulheres. Para tal, articulamos o levantamento de dados, análise de conteúdo e um referencial teórico interseccional aos dois campos, as relações de gênero e o campo jornalístico, utilizando como base a cobertura da movimentação das mulheres brasileiras em novembro de 2015, conhecida como Primavera das Mulheres, nas revistas Época e IstoÉ. A análise do material revelou uma cobertura ampla, não criminalizadora, mas circunscrita aos rituais discursivos tradicionais que se operam em/sobre temas considerados tabus e afastada do enquadramento da saúde pública.  

Este artículo se propone a reflexionar sobre uno de los terrenos más áridos de la discusión de género en el periodismo, los derechos reproductivos. Más específicamente, buscamos identificar los interdictos a la discusión sobre el aborto en los medios y las potencialidades del momento histórico, en el que nuevos movimientos calientan el debate sobre los derechos de las mujeres. Para tal, articulamos el levantamiento de datos, análisis de contenido y un referencial teórico interseccional a los dos campos, las relaciones de género y el campo periodístico, utilizando como base la cobertura del movimiento de las mujeres brasileñas en noviembre de 2015, conocida como Primavera de las Mujeres, en las revistas nacionales Época y IstoÉ. El análisis del material reveló una cobertura amplia, no criminalizadora, pero circunscrita a los rituales discursivos tradicionales que se operan en / sobre temas considerados tabúes y alejados del encuadramiento de la salud pública.

Palavras-chave


Journalism; Gender relations; Reproductive rights

Texto completo:

PDF (English) PDF (PT)

Referências


Ávila, M. B. (1993). Direitos reprodutivos: um breve relato de uma longa história. Revista Mulher e Saúde.Maceió: Edufal, pp. 13-18.

Brandalise, C. & Perez, F. (2015). O grito das mulheres. Revista IstoÉ. São Paulo, ed.2397, ano 38, pp. 40-45.

Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (1997). Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Caruso, M. (2015). Meu primeiro assédio. Revista Época. São Paulo, n.909, pp. 78-79.

Colling, L. (2002). A economia no Jornal Nacional nas eleições de 1998. Revista Diálogos Possíveis, v. 1, n. 0, pp. 113-132.

Diniz, D. & Damasceno, A. P. (2001). Mulheres, mídia e aborto. SérieAnis 20. Brasília: Letras Livres, p. 1-8. Retrieved from http://www.anis.org.br/biblioteca/2014-11/sa20dinizdamascenomidiaabortopdf.pdf

Diniz, D. & Medeiros, M. (2010). Aborto no Brasil: uma pesquisa domiciliar com técnica de urna. Ciência e Saúde Coletiva, n. 15, supl. 1, p. 959-966. Retrieved from http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/pesquisa-nacional-de-aborto-2016/15912?id=15912

Falcão, D. (2015). As poderosas chefinhas. Revista Época. São Paulo, n.909, pp. 74-75

Foucault , M. (2003). A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola.

Foucault , M. (2009). Microfísica do poder. São Paulo: Graal.

Garcia, S. (2015). O feminismo está na moda. Virou pop. Revista Época. São Paulo, n.909, pp. 80-82.

Gitlin, T. (1980). The whole world is watching. Berkeley: University of California Press.

Goffman, E. (1986). Frame Analysis: an essay on the organization of experience. Boston: University of Califórnia Press.

Gradim, A. (2016). Framing, o enquadramento das notícias. Lisboa: Livros Horizontes.

Grillo, C., Oliveira, G. & Buscato, M. (2015). A Primavera das Mulheres: as mulheres tomam as ruas e as redes sociais e criam um movimento que agita o país. Revista Época. São Paulo, n.909, pp. 66-73.

Habermas, J. (1984). Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Habermas, J. (1997). Direito e Democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Herscovitz, H. G. (2010). Análise de conteúdo em jornalismo. In Benetti, M.; Lago, C. Metodologia de pesquisa em jornalismo. Petropólis: Vozes, pp. 123 – 142.

Lima, J. (2015). As mulheres contra o que é cruel e desumano. Revista Época. São Paulo, n. 909, pp. 20.

Porto, M. (2004). Agendamento da política. In Rubim, A. Comunicação e Política: conceitos e abordagens. Salvador: Edufba, pp. 73-104.

Primavera feminista no Brasil. (2015). El País. Retrieved from http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/13/opinion/1447369533_406426.html

Segatto, C. (2015). O triunfo da informação – ainda que tardia. Revista Época. São Paulo, n.909, pp. 76-77.

Veloso, A.; Rebouças, E. (2011). As políticas e estratégias do feminismo brasileiro junto aos meios de comunicação no Brasil em tempos de Conferência Nacional de Comunicação (CONFECOM). In Revista de Estudios para el Desarollo Social de La Comunicación – Redes.Com, n.6. Retrieved from http://revista-redes.hospedagemdesites.ws/index.php/revista-redes/article/view/178/177

Vieira, V. (2007). Os impactos das mídias antigas e novas. In D. Plou, D, V. Vieira (Eds.), Mulher e tecnologias: a virtualidade como espaço transformador das relações de gênero (pp. 37-42). São Paulo: Rede Mulher de Educação.

Vieira. V. (2012). Comunicação e feminismo: as possibilidades da era digital. PhD Dissertation, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Volanin, L. (2007). Poder e mídia: a criminalização dos movimentos sociais no Brasil nas últimas trinta décadas. In O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense, v.1. Retrieved from http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2007_unicentro_hist_artigo_leopoldo_volanin.pdf




DOI: https://doi.org/10.25200/BJR.v14n1.2018.1070

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN da versão online: 1981-9854

ISSN da versão impressa (descontinuada a partir de 2008): 1808-4079



Datas de publicação da revista

30 de abril - 30 de agosto - 30 de dezembro

 

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.